Vice-presidente do Facebook quebra silêncio sobre caso de Jeff Bezos hackeado

Nathan Vieira

Nesta quinta-feira (23), a vice-presidente do Facebook, Nicola Mendelsohn, disse que o caso recentemente relatado do iPhone de Jeff Bezos sendo hackeado, destaca possíveis problemas de segurança nos sistemas operacionais de dispositivos móveis. Mendelsohn não comentou diretamente quando questionada se o Facebook estava investigando, mas disse que a empresa levaria "qualquer alegação muito a sério".

"Do ponto de vista do WhatsApp, do ponto de vista do Facebook, o que mais nos interessa (e no que investimos) é garantir que as informações que as pessoas têm conosco sejam seguras e protegidas", afirmou a executiva.

O iPhone X do CEO da Amazon teria sido hackeado depois de receber um arquivo da conta pessoal do WhatsApp do príncipe herdeiro Mohammed bin Salman, de acordo com uma análise realizada pela FTI Consulting.

Basicamente, esse arquivo continha um vídeo exibindo a bandeira da Arábia Saudita e a bandeira da Suécia, juntamente com um downloader criptografado, que desencadeou um "vazamento não autorizado de dados" do telefone de Bezos.

Caso de Jef Bezos (CEO da Amazon) hackeado destaca problemas de segurança em smartphones

A análise não indicou que nenhuma vulnerabilidade no software do iPhone contribuiu para o ataque relatado, e a Apple ainda não se pronunciou diante do assunto. No entanto, desde o ocorrido, a ONU pediu aos Estados Unidos e outras autoridades que conduzissem uma investigação sobre o príncipe herdeiro. O governo saudita chamou as alegações de que o príncipe herdeiro estava vinculado ao hackeamento do telefone de Bezos de "absurdo" e também pediu uma investigação sobre o incidente.

Segundo o Business Insider, o relatório vem depois que o WhatsApp corrigiu alguns problemas de segurança no ano passado. Em maio passado, emitiu uma correção para uma falha que permitiria aos invasores inserir códigos maliciosos nos iPhones e dispositivos Android por meio de uma ligação telefônica. Em novembro, a rede social também corrigiu um bug que poderia permitir a execução remota de código acionada enviando um arquivo de vídeo MP4, se explorado.

Vale lembrar que o príncipe também é acusado pelo assassinato do jornalista saudita Jamal Khashoggi, quem advogava por direito civis no país. Em entrevista ao The Guardian, o especialista em Oriente Médio, Andrew Miller, aponta que o hack a Bezos poderia ser uma forma de encontrar algo para controlar o Washington Post, veículo que cobriu amplamente o caso de Khashoggi.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: