Vice-presidente do STF, Rosa Weber diz que democracia 'não se resume a escolhas periódicas'

·1 minuto de leitura

A ministra Rosa Weber, vice-presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), defendeu nesta quarta-feira que a democracia é a mútua compreensão das diferenças e chamou a atenção para a reafirmação da "fé no regime democrático consagrado na Constituição" nestes tempos de "mares revoltos".

— Vale a pena, neste 15 de setembro, reafirmar a nossa fé no regime democrático consagrado em nossa Constituição —, disse a ministra.

O discurso da ministra, que presidiu a sessão de julgamentos do STF, foi feito em razão do Dia da Democracia, celebrado nesta quarta-feira. A ministra lembrou o pronunciamento que fez quando presidia o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) durante as eleições de 2018, que teve como vencedor o presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

— Refletir sobre a democracia não constitui mero exercício teórico. A democracia não se resume a escolhas periódicas, democracia é também exercício constante de diálogo e tolerância, e mútua compreensão das diferenças, sem que a vontade da maioria busque suprimir ou abafar a opinião dos grupos minoritários, muito menos tolher ou coprometer-lhes os direitos constitucionalmente assegurados —, afirmou.

As palavras da ministra foram proferidas em meio à "trégua" na crise institucional entre Judiciário e Executivo vivida desde a última quinta-feira, quando o presidente publicou uma "Carta à Nação" em que recuou nos ataques que vinham sendo feitos ao Supremo. O Dia da Democracia foi instituído pela Organização das Nações Unidas (ONU) em 2007, na Assembleia Geral.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos