"Vida” explora terror alienígena nos confins do espaço

Por Jon Herskovitz
Atriz Rebecca Ferguson, uma das estrelas de "Vida" 20/09/2016 REUTERS/Dylan Martinez

Por Jon Herskovitz

AUSTIN, Estados Unidos (Reuters) - Uma criatura marciana mortal caça astronautas nos limites estreitos e claustrofóbicos de estação espacial no novo suspense “Vida”, que é uma exploração sobre a arrogância humana em sua busca por vida extraterrestre.

“Vida”, que estreia nos Estados Unidos na sexta-feira, apresenta os astronautas a bordo da Estação Espacial Internacional (ISS), à medida que descobrem e criam um organismo vivo de Marte.

    Ao passo que a vida alienígena se forma, inicialmente uma partícula fofa chamada Calvin, e rapidamente cresce e se torna mais forte, os astronautas se encontram lutando por suas vidas nos confins da estação espacial.

    “Quando saímos e tiramos algo de seu habitat natural... a pergunta é: quando passamos por cima do limite de propriedade e talvez criamos gradualmente nosso próprio desastre?”, disse à Reuters a atriz Rebecca Ferguson, que interpreta a recruta mais nova a bordo da ISS, no festival South by Southwest, na cidade norte-americana de Austin, onde foi a pré-estreia do filme.

Alienígenas mortais têm sido um fascínio para filmes de Hollywood, como “Independence Day”, de 1996, no qual extraterrestres tentam destruir a Terra, e “Alien, o 8º Passageiro”, de 1979, no qual um monstro caça humanos em uma espaçonave, similar ao roteiro de “Vida”.

    O apelo de um suspense espacial reside no isolamento e limites extremos do meio-ambiente, disse Ryan Reynolds, que interpreta um engenheiro a bordo da ISS.

    “Pessoas amam histórias como esta", disse Reynolds, quando se está preso a um lugar delimitado, "com o problema que tem, para neutralizá-lo ou fazer o que precisa, então acho que é como se fosse um indutor de pânico”.

    O suspense é destacado pelo ambiente de gravidade zero em que o filme se passa, disse Jake Gyllenhaal, que interpreta um médico militar veterano a bordo da ISS. O elenco passou a maior parte do filme suspenso em cabos para simular como astronautas se movem sem a gravidade.

    “Você nunca sabe o que está no alto e o que está embaixo”, disse Gyllenhaal. “Um filme de terror e um suspense em que você não sabe de onde a próxima coisa vem, isto torna quatro ou cinco vezes mais aterrorizante.”