Vida nova para menina de Bangladesh que nasceu com três pernas

Foto sem data cedida em 28 de abril de 2017 pela Children First Foundation mostra Choity Khatun (E), de três anos, com sua mãe, Shima, no hospital em Melbourne, após a cirurgia

Uma menina que nasceu com três pernas voltou nesta sexta-feira ao seu país natal, Bangladesh, depois de ter sido submetida a uma operação longa e complexa na Austrália, indicou seu médico nesta sexta-feira.

Acreditava-se que Choity Khatun, de três anos, tinha poucas chances de sobreviver antes que a organização beneficente Children First a levasse a Melbourne no ano passado.

Uma equipe de cirurgiões passou meses reconstruindo a anatomia da menina. "Uma irmã gêmea havia crescido fora de sua pelve, mas só era uma parte da gêmea. O problema era que não havia nenhuma regra para isso, na medida em que era um caso totalmente único", explicou à AFP Chris Kimber, chefe de cirurgia pediátrica no hospital infantil Monash.

"Quando Choity chegou à Austrália, sofria de desnutrição e não podia andar corretamente", acrescentou.

Depois de consultar especialistas da Europa e dos Estados Unidos, os cirurgiões idealizaram uma operação para remover os restos da terceira perna, da qual uma parte havia sido cortada em Bangladesh, e remover e realocar outros órgãos.

Várias partes do corpo de uma irmã gêmea haviam se desenvolvido na região pélvica da menina.

Os cirurgiões passaram muitas horas examinando a criança e descobriram que tinha diferentes órgãos duplicados: reto, ânus, vagina e útero. Além disso, Choity sofria com incontinência.

Oito médicos especializados em reconstrução genital e da pelve participaram em novembro da cirurgia, "muito pouco comum", que durou oito horas, disse Kimber.

Os cirurgiões conseguiram colocar fim à incontinência da menina, que pode, portanto, controlar novamente as fezes e a urina, o que é "extraordinário", disse o médico.

Choity também é parcialmente cega, mas enxerga o suficiente para andar e correr, para grande alegria de sua mãe, Shima Khatun, de 22 anos.

"Agora tudo vai bem. Pode brincar com as outras crianças", contou à rede de televisão Channel Nine.