Vídeo mostra Guarda Civil destruindo tapete de páscoa em homenagem a Marielle

Em nota, a Guarda Civil afirmou que “os agentes municipais desmancham desenhos de cunho político entre outros que nenhuma relação possuem com tapetes devocionais”. (Foto: Reprodução/Twitter)

Guardas civis municipais de Ouro Preto, em Minas Gerais, destruíram na noite de domingo (22) um tapete de Páscoa dedicado a vereadora Marielle Franco e ao motorista Anderson Gomes, assassinados no Rio de Janeiro, no ano passado.

As informações são do portal G1.

Em vídeos que circulam nas redes sociais, um guarda aparece pisoteando o tapete de Marielle, enquanto pessoas protestam com gritos de “Marielle vive”. A homenagem fazia parte do tradicional tapete de serragem no encerramento das celebrações da Semana Santa.

Confira as imagens:

Em nota, o Comando da Guarda Civil Municipal confirmou que “os agentes municipais desmancham desenhos de cunho político entre outros que nenhuma relação possuem com tapetes devocionais”, e disse também que “a liberdade de expressão não é absoluta ainda mais quando outros direitos estão sendo afetados”.

Em outro trecho do comunicado, a corporação afirmou que “os guardas só desmancharam os tapetes com os pés porque não tínhamos outro instrumento”.

2º ANO CONSECUTIVO

Esse é o segundo ano consecutivo que agentes de segurança destroem o tapete em referência à vereadora. No dia 3 de abril de 2018, um agente da Guarda Municipal também foi filmado desmanchando os tapetes com os pés, após orientação da prefeitura e da paróquia para que fossem evitadas manifestações políticas.

Neste ano, o incêndio da Catedral de Notre-Dame, em Paris, e o desastre com a barragem da Vale, em Brumadinho, fizeram parte do tapete de páscoa.

Leia na íntegra a nota da Guarda Municipal de Ouro Preto

“O Comando da Guarda Civil Municipal vem publicamente agradecer a todos que contribuíram direita e indiretamente para a gloriosa Semana Santa de Ouro Preto, em especial aos guardas, polícias que bravamente mantiveram a ordem do princípio ao fim.

Quanto ao episódio onde os agentes municipais desmancham desenhos de cunho político entre outros que nenhuma relação possuem com os "tapetes devocionais", informamos que a liberdade de expressão não é absoluta ainda mais quando outros direitos estão sendo afetados.

O recado já foi dado em 2018, em 2019 não foi diferente. Respeitem Ouro Preto, nossas tradições. Vale salientar que os guardas só desmancharam os tapetes com os pés, porque não tínhamos outro instrumento”.