Vídeo mostra que vítima de falso entregador se ajoelhou antes de morrer: “Não tenho nada”

Renan Silva Loureiro foi vítima de falso entregador; crime foi registrado como latrocínio (Foto: Reprodução/TV Globo)
Renan Silva Loureiro foi vítima de falso entregador; crime foi registrado como latrocínio (Foto: Reprodução/TV Globo)

Resumo da notícia

  • Vítima de falso entregador ajoelhou e disse não ter nada antes de ser morto

  • Renan Silva Loureiro, de 20 anos, levou quatro tiros de falso entregador na Zona Sul de São Paulo

  • Com as imagens, Polícia Civil tenta encontrar o criminoso

Um vídeo de câmeras de segurança mostrou que o jovem Renan Silva Loureiro, de 20 anos, se ajoelhou e afirmou que não tinha nada antes de ser morto. Ele foi alvejado com quatro tiros por um falso entregador de comida por aplicativo, na Zona Sul de São Paulo, na última segunda-feira (25).

As imagens, reveladas pela TV Globo, mostram que o falso entregador passa pelo casal e, em seguida, volta pela sua para abordá-los. Os dois tentam correr, mas o criminoso desce na moto, com a mochila do aplicativo nas costas, aponta a arma para Renan e a namorada e atira para o alto.

Renan ajoelha e diz que não tem nada. Em seguida, o assaltante vai até a namorada e, nesse momento, Renan reage. Quando ele corre até a namorada, é atingido por quatro disparos.

O falso entregador roubou o celular da menina, subiu na moto e fugiu. Ao lado do corpo de Renan, a namorada gripa por socorro. A jovem não se feriu.

O crime aconteceu na região do Jabaquara, na Rua Frei Farto. Segundo informações do portal g1, a Polícia civil analisa o vídeo para identificar e prender o criminoso. Autoridades também buscam outras imagens de segurança na região.

O caso foi registrado como latrocínio, isto é, roubo seguido de morte, no 16º DP, da Vila Clementino. A investigação será feita pelo Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic).

Nas redes sociais, a mãe do jovem lamentou o ocorrido. "Meu filho amado, você foi a pessoa mais maravilhosa que eu tive o prazer de conhecer", escreveu. Ela afirmou que a vida do filho foi ceifada por um celular, mas que a memória dele estará para sempre no coração dela.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos