Vídeo publicado por Bolsonaro repetiu fake news sobre sistema eleitoral

Conteúdo divulgado por ex-presidente fez críticas infundadas às urnas e foi apagado em seguida

Ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), após discurso quando ainda era presidente, no Palácio da Alvorada em Brasília, em 1º de novembro de 2022 (Foto: Associated Press / Eraldo Peres)
Ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), após discurso quando ainda era presidente, no Palácio da Alvorada em Brasília, em 1º de novembro de 2022 (Foto: Associated Press / Eraldo Peres)
  • Na noite desta terça-feira (10), o ex-presidente Jair Bolsonaro publicou e apagou horas depois um vídeo sobre o sistema de votação eletrônico

  • A publicação atacava a publicidade do processo eleitoral

  • Mas as informações são falsas e repetem boatos já desmentidos

Na noite desta terça-feira (10), o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) compartilhou em sua página no Facebook um conteúdo sugerindo que o presidente Lula (PT) não foi eleito pelo povo, e sim escolhido pelo serviço eleitoral junto a ministros do STF (Supremo Tribunal Federal) e do TSE (Tribunal Superior Eleitoral). O conteúdo chegou a ultrapassar sete mil interações em cerca de quatro horas.

Mas a publicação repete informações falsas sobre as urnas, já desmentidas e esclarecidas pelo TSE.

Urna eletrônica sendo preparada para o segundo turno das eleições de 2022, que ocorreu em 19 de outubro. Nas redes, Bolsonaro publicou, e em seguida apagou, um vídeo desinformativo sobre o sistema de votação (Foto: AFP via Getty Images / Evaristo Sa)
Urna eletrônica sendo preparada para o segundo turno das eleições de 2022, que ocorreu em 19 de outubro. Nas redes, Bolsonaro publicou, e em seguida apagou, um vídeo desinformativo sobre o sistema de votação (Foto: AFP via Getty Images / Evaristo Sa)

Fake news sobre o sistema eleitoral foram um dos fatores que levaram bolsonaristas radicais a invadirem e depredarem as sedes dos Três Poderes no último domingo (8). Apesar disso, dois dias após os ataques, o ex-presidente compartilhou, apagando horas depois, o trecho de uma entrevista de seu apoiador, o procurador de Mato Grosso do Sul Felipe Gimenez.

Gimenes atacou a publicidade do sistema eletrônico de votação, afirmando que não é possível ver a apuração dos votos, mas essa informação é falsa. Os resultados das eleições podem ser conferidos por qualquer cidadão, por meio dos BUs (Boletins de Urna). Esse sistema consiste na impressão e disponibilização online dos resultados das urnas.

Além disso, há ainda o RDV (Registro Digital do Voto), que permite conferir cada um dos votos depositados nas máquinas de votação, sem que seja violado o sigilo da escolha do eleitor. Qualquer pessoa pode ter acesso ao registro e conferir o resultado eleitoral por meio do site do TSE.

Desde que as urnas eletrônicas foram adotadas no Brasil, em 1996, não houve qualquer fraude documentada.

No vídeo, Gimenez também fala sobre países que adotam métodos diferentes ao brasileiro, mas omite aqueles que utilizam tecnologia semelhante, em que não há impressão de comprovantes de votação. Nos Estados Unidos, um sistema como o brasileiro é utilizado em Louisiana e em partes do Texas, Mississipi, Nova Jersey e Tennessee. Bangladesh, Butão, e em regiões da França também fazem uso de sistemas semelhantes.