Vídeo supostamente mostra pilastras de prédio que desabou em péssimas condições; assista

Um vídeo que circula nas redes sociais revela a estrutura de pilastras que supostamente seriam do prédio de 7 andares que desabou, na manhã desta terça-feira (15), em Fortaleza. O vídeo, segundo o jornal O Povo Online, seria de uma moradora do prédio e teria sido gravado na segunda-feira (14).

Nele são mostradas as estruturas de duas pilastras que seriam do edifício residencial, envoltas em sacos plásticos e com vigas de ferro à mostra. A moradora, ainda segundo O Povo Online, enviou o vídeo na noite de segunda-feira (14) em um grupo de WhatsApp.

Reprodução

O prédio fica no Bairro Dionísio Torres, na esquina na Rua Tibúrcio Cavalcante com Rua Tomás Acioli. Segundo testemunhas, todos os andares eram habitados. O Corpo de Bombeiros confirmou que foram retiradas 3 vítimas com vida, além de uma quarta vítima, já sem vida.

O Corpo de Bombeiros, Polícia Militar, Defesa Civil e Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) foi acionada ao local. Um helicóptero do Coordenadoria Integrada de Operações Aéreas (Ciopaer) tenta pousar para resgatar vítimas gravemente feridas.

Informações preliminares apontam que todos os 7 andares eram habitados. Em um vídeo compartilhado nas redes sociais, moradores e testemunhas pediam silêncio na tentativa de localizar sobreviventes. Uma testemunha relatou ao portal G1 que ouviu um ‘barulho forte’ momentos antes do desabamento.

“Eu estava em casa. Há 30 minutos ouvi um barulho forte. Como se fosse uma batida de caminhão, coisa do tipo. Em seguida ouvi um barulho desencadeado. Eu disse: não. Caiu alguma coisa. Desabou alguma coisa. Olhei pela janela e vi poeira muito forte e gente correndo”, disse Mário Ferreira, morador da região.

Ao todo, a estimativa do Corpo de Bombeiros, feita por volta das 11h30, é de que entre 10 a 15 moradores estão sob os escombros. Às 11h50, os Bombeiros confirmaram a retirada de 3 vítimas com vidas. Não se sabe o estado de saúde delas. Uma quarta pessoa foi retirada, mas já sem vida.

Os militares alegam que há risco de explosões devido a um possível vazamentos de gás e risco de choque elétrico devido aos fios de energia espalhados pela rua. Um trecho da Avenida Antônio Sales até a a Avenida Tomás Acioli ficou bloqueado.