Morte com duas teses

Em seu terceiro aniversário, a morte de Alberto Nisman, o procurador que envolveu a ex-presidente Cristina Kirchner na investigação do atentado contra a Associação Mutual Israelita Argentina (AMIA), o mais violento da história da Argentina, com 85 mortos, ainda divide o país.