Vídeos de jovens cheirando corretivo líquido em sala de aula viralizam nas redes

·3 min de leitura
"Tendência" do corretivo líquido veio do TikTok. Foto: Reprodução.
"Tendência" do corretivo líquido veio do TikTok. Foto: Reprodução.
  • Prática foi identificada em escolas de São Paulo, Paraná e Santa Catarina

  • Especialistas alertam para riscos de inalar pó de corretivo líquido

  • Jovens compartilham vídeos nas redes sociais

Uma nova tendência em escolas têm preocupado pais e se tornou caso de polícia. Jovens estão cheirando o pó que forma quando corretivo líquido seca, muitas vezes dentro da sala de aula.

Os estudantes compartilham vídeos e imagens nas redes sociais Twitter, TikTok e Facebook. Muitos menores revelam que se envolveram em problemas nas escolas. Há casos em São Paulo, Paraná e Santa Catarina.

“Fizeram a trend do corretivo e agora deu polícia na escola”, contou um adolescente.

“Tony foi suspenso porque gravou um TiktTok cheirando branquinho”, afirmou outro estudante.

Médicos alertam que a prática pode causar danos às mucosas do nariz e agravar quadros de rinite ou sinusite, além de haver risco de intoxicação.

Algumas escolas chegaram a soltar comunicados pedindo que famílias fiquem atentas às redes sociais dos alunos.

A Escola Estadual Comendador Guilherme Giorgio, na Zona Leste de São Paulo, alertou os pais sobre esses conteúdos que estão sendo publicados nas redes.

"Fiquem atentos aos celulares e conteúdos que os filhos têm acesso na internet. Estamos de olho em nossos alunos, caso ocorra dentro de nossa unidade os pais ou responsáveis serão chamados na escola”, declarou.

Em nota, a Secretaria Estadual da Educação de São Paulo (Seduc-SP) disse que na escola mencionada não foram identificados alunos realizando tais práticas. Ainda segundo a Seduc, outros estudantes teriam alertado a direção da escola sobre a prática.

A secretaria afirmou ainda que o PROERD (Programa Educacional de Resistência às Drogas) foi acionado para auxiliar na conscientização dessa e de outras "brincadeiras", e que os responsáveis pelos alunos foram convocados para uma conversa.

No Paraná, a direção do Colégio Estadual João Manoel Mondrone, na cidade de Medianeira, emitiu comunicado após um vídeo de um aluno viralizar.

“Um grupo de alunos realiza uma brincadeira de mau gosto simulando, com corretivo seco, um pó. Salientamos que foi um caso isolado e a direção da escola tomou providências imediatas junto aos familiares e autoridades competentes”, afirma o documento.

O governo do Paraná confirmou, em nota, que um episódio foi registrado em um colégio estadual do município de Medianeira. “O estudante foi orientado pela direção tanto sobre a atitude inadequada, quanta pela inalação da substância, nociva à saúde".

O Colégio Sigma Lages, da cidade de Lages, em Santa Catarina, também foi palco da tendência. Nas redes sociais, o colégio disse que alguns alunos reproduziram do TikTok o vídeo.

“Prontamente identificamos a ação, conversamos e orientamos os alunos e chamamos todos os pais dos envolvidos para alertar sobre a vulnerabilidade perante as redes. Tratam-se de excelentes crianças, que não escaparam do perigo de serem influenciadas”, afirma o comunicado.

“Cabe a nós adultos limitarmos o acesso a conteúdos não adequados - redes sociais, séries, filmes - e sobretudo orientarmos nossas crianças sobre estes modismos de mau gosto. Já vivenciamos a onda da Baleia Azul, da boneca Momo, do desodorante, do derrubar o amigo propositalmente e certamente outras virão”, concluiu a escola.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos