"Viemos dizer não à extrema direita": milhares de franceses protestam contra Marine Le Pen

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·1 min de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

Milhares de manifestantes saíram às ruas de Paris e outras dezenas de cidades francesas neste sábado (16) para expressar a preocupação com uma possível eleição de Marine Le Pen, candidata da extrema direita à presidência. A oito dias do segundo turno, a líder do partido Reunião Nacional tem cerca de 45% das intenções de voto.

"Viemos dizer não à extrema direita. Para a sociedade, para a liberdade, mas também para o meio ambiente, seria uma verdadeira regressão se Marine Le Pen chegasse ao poder", afirmou Jean-François Julliard, diretor-geral do Greenpeace France, durante a concentração dos manifestantes na Praça da Nação, no leste de Paris.

Na capital francesa, a marcha teve início às 14h30 do horário local, com a expectativa de reunir cerca de cinco mil participantes. Em outras cidades da França, a previsão é que os protestos levem cerca de 15 mil pessoas às ruas. Mais de 30 organizações convocaram a mobilização, entre elas, a Liga dos Direitos Humanos, SOS Racismo, a Confederação Geral do Trabalho, entre outras.

"Contra a extrema direita, pela justiça e a igualdade", diziam cartazes exibidos pelos manifestantes em Paris. Outra faixa levava a mensagem: "melhor um voto fedorento do que um voto assassino". Entre os participantes do protesto, muitos fizeram duras críticas ao presidente-candidato Emmanuel Macron, mas ressaltaram a necessidade de optar pelo chefe de Estado nas urnas para barrar Le Pen.

"Profundamente antidemocrata"

(Com informações da AFP)


Leia mais

Leia também:
Macron reforça liderança na corrida presidencial; Marine Le Pen endurece discurso antissistema
Para enfrentar debate do 2° turno, Marine Le Pen fará treinamento com “clone de Macron”
Nem Macron, nem Le Pen: estudantes ocupam universidades francesas em protesto

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos