Vigilância em massa na Venezuela: mais de um milhão de telefones 'grampeados'

A transnacional espanhola Telefónica revelou pedidos de "interceptações" de mais de 1,5 milhão de suas linhas de telefone e acessos à Internet na Venezuela em 2021, o que defensores dos direitos humanos consideram um sinal do avanço de um programa de "vigilância em massa" do Estado.

Direitos humanos: Tribunal Penal Internacional terá escritório na Venezuela em meio a investigação por crimes contra Humanidade

Crime de ódio? Mulher de 72 anos é presa na Venezuela por fazer piada sobre a morte de Maduro no TikTok

As "interceptações legais" das linhas de telefonia e acessos à Internet da Telefónica pularam de 380.250 em 2016 para 861.004 em 2021, com mais de 1,5 milhão de "acessos afetados" nesse último ano, segundo um relatório da empresa, presente na nação caribenha desde 2005.

A empresa divulgou dados sobre os pedidos de interceptações e bloqueios a sites recebidos das autoridades nos doze países onde opera: Alemanha, Reino Unido, Espanha, Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, Equador, México, Peru, Uruguai e Venezuela.

Herança de Chavez: Presença de armas na vida política alimenta 'mercado da desconfiança' na Venezuela

— É um abuso sistemático da interceptação de comunicações — disse à AFP Andrés Azpúrua, diretor da VE Sin Filtro, uma ONG venezuelana que luta contra bloqueios e restrições na Internet.

As interceptações por agentes do governo do presidente Nicolás Maduro e outras autoridades, cujo número quadruplicou em seis anos, evidenciam "um programa de vigilância em massa por meio da interceptação de comunicações e captura de metadados", alertou Azpúrua, que denuncia essa situação como "uma violação em grande escala dos direitos humanos" que "projeta um cenário autoritário".

Carlos Correa, diretor da ONG Espaço Público, que monitora ataques contra a liberdade de expressão, lamentou o "aumento dos grampeamentos telefônicos".

Política: Relação com a Venezuela vira saia justa para Bolsonaro e Lula

Esses "grampeamentos" atingiram 20% dos clientes da Telefónica na Venezuela e apenas 0,28% no Brasil, 0,05% na Argentina e 0,00% no México, Colômbia e Equador.

Além disso, entre 2016 e 2021, houve mais de 3,5 milhões de solicitações de "interceptações" destinadas a acessar os dados do assinante e sua localização "em tempo real".

Cerca de um milhão de linhas (997.679) foram afetadas por solicitações de "metadados": informações pessoais, localização, endereços IP, número de mensagens de texto recebidas e enviadas e chamadas recebidas e efetuadas.

O relatório destaca, entre as "autoridades competentes" que fizeram os pedidos, o Serviço de Inteligência (Sebin) "a pedido do Ministério Público e autorização do juiz correspondente", a polícia científica e as Forças Armadas, bem como "outros órgãos e entidades especiais de investigação criminal".

Diálogo: Oposição venezuelana pede para condicionar possível acordo energético entre Maduro e EUA à 'transição' democrática

O Sebin é alvo de múltiplas denúncias de violação dos direitos humanos e perseguição de opositores.

A Universidade Nacional de Segurança Experimental (Unes) também está habilitada a solicitar escutas telefônicas. "Em termos práticos, qual é a necessidade de uma universidade ter o poder de intervir nas comunicações privadas?", questionam membros do Espaço Público.

— Isso fala de um nível muito alto de vigilância por parte do Estado — disse Correa à AFP.

A Telefónica é a principal operadora de telefonia móvel da Venezuela. A estatal CANTV, por sua vez, domina o mercado de telefonia e internet fixa.

Bloqueios na Internet

Quanto ao acesso à Internet, mais de 1.300 sites sofreram entre 2016 e 2021 bloqueios ou restrição de conteúdos na Venezuela por solicitação da Comissão Nacional de Telecomunicações (Conatel), segundo a Telefónica.

Jornalistas e organizações dos direitos humanos já denunciavam bloqueios em massa de portais na Internet de veículos de comunicação críticos à Maduro.

Venezuela em 159º: Brasil fica em 110º lugar em ranking mundial de liberdade de imprensa

De acordo com o relatório, o ano com maior quantidade de bloqueios foi 2016, com 1.050, seguido de 2018, com 106, enquanto em 2021 foram 30 solicitações.

O documento não detalha as características ou a natureza de 98% de todos os sites restritos, mas aponta que 27 URLs de "sites de jogos e apostas" foram alvo em 2019.

Segundo o Espaço Público, 45 de 100 portais de notícias na Venezuela estão bloqueados.

Os bloqueios, pelas normas internacionais, deveriam acontecer após ordens de juízes ou sentenças judiciais, mas na maioria dos casos registrados neste país não existe informação sobre o motivo das restrições de URLs, criticou Correa.

Embora os dados correspondam a apenas uma das empresas de telecomunicações que operam na Venezuela, "acreditamos que a situação é parecida nas outras", acrescenta.

Embora não haja dados públicos das outras empresas, "o número de intervenções solicitadas também deve ser altíssimo", estima Correa.

A AFP tentou contato com a Conatel, mas porta-vozes do órgão descartaram oferecer declarações no momento. Também tentou contatar, sem resposta, os representantes de outras operadoras.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos