Vila Cruzeiro: operação policial deixa ao menos 8 mortos

·2 min de leitura
Operação policial na manhã desta sexta-feira na Vila Cruzeiro, no Rio de Janeiro. Foto: Reprodução/TV Globo
Operação policial na manhã desta sexta-feira na Vila Cruzeiro, no Rio de Janeiro. Foto: Reprodução/TV Globo
  • Vila Cruzeiro faz parte do Complexo da Penha, no RJ

  • Ação era conjunto da PF e PRF

  • Secretário diz que 'elementos provavelmente estavam na resistência'

Uma operação conjunta da Polícia Militar, Polícia Federal (PF) e Polícia Rodoviária Federal (PRF) na Vila Cruzeiro, parte do Complexo da Penha, na Zona Norte do Rio, deixou ao menos oito pessoas mortas nesta sexta-feira (11).

O confronto começou por volta das 5h, quando as equipes chegaram ao local e começou o tiroteio.

Por causa da operação, 17 escolas da rede municipal não abriram e os estudantes terão aulas apenas on-line. As Clínicas da Família Felipe Cardoso, Aloísio Novis e Klebel de Oliveira também suspenderam as atividades externas.

O objetivo da operação era cumprir mandados de prisão contra uma quadrilha de roubo de cargas. O principal alvo é o traficante Chico Bento do Jacarezinho, apontado como um dos chefes do Comando Vermelho.

As investigações apontam que Chico Bento está na Vila Cruzeiro desde que a comunidade do Jacarezinho foi ocupada pelo Programa Cidade Integrada, há quase um mês.

Outro objetivo da operação, segundo a Polícia Militar, era desarticular planos de ataque às bases do Cidade Integrada no Jacarezinho.

Até o momento, segundo informações do portal G1, um homem foi preso e foram apreendidos sete fuzis, quatro pistolas, duas granadas e 72 kg de pasta básica de droga.

O secretário da Polícia Militar, coronel Luiz Henrique Marinho, disse, em entrevista ao programa Bom Dia Rio, que a ação desta sexta é resultado de um trabalho de inteligência.

"É uma operação integrada entre a Polícia Militar e a Polícia Rodoviária Federal em cima de um trabalho de inteligência que foi feito durante alguns dias, alguns meses. A informação que nós tínhamos era que integrantes de uma grande facção estavam escondidos", afirmou.

Mesmo com o saldo de ao menos oito vítimas, o secretário disse também que a operação atuou com segurança. "Encontramos uma grande resistência para avançar e cumprir nossos objetivos, e provavelmente esses elementos estavam nessa resistência", disse.

Na semana passada, o Supremo Tribunal Federal (STF) determinou que o governo do Rio de Janeiro implemente medidas para reduzir a letalidade de ações policiais em comunidades do estado, com prazo de 90 dias para que o plano fosse apresentado.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos