Vila Torres: ônibus incendiado pode ter sido retaliação; entenda

Ônibus pode ter sido roubado e levado até Vila Torres
(Foto: Tiago Silva/ RICtv)
Ônibus pode ter sido roubado e levado até Vila Torres (Foto: Tiago Silva/ RICtv)
  • Ônibus biarticulado é incendiado na Vila Torres, em Curitiba;

  • Suspeita é de que incêndio foi provocado por moradores em retaliação a uma operação policial;

  • Operação visava combater os homicídios causados pela disputa pelo comando do tráfico de drogas.

Um ônibus biarticulado foi incendiado, no início da tarde desta segunda-feira (21), na região de Vila Torres, no bairro Prado Velho, em Curitiba. A suspeita é de que os moradores fizeram uma barreira e colocaram fogo no veículo em retaliação a uma operação policial deflagrada da manhã de hoje.

Segundo informações da RICtv, o ônibus conhecido como ‘vermelhão’ não passa pela rua onde foi localizado, o que levanta a possibilidade de que tenha sido roubado e levado até a Vila Torres.

Os policiais do Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope) foram mobilizados para reforçar a segurança no local. Em nota, o Setransp (Sindicado das Empresas de Ônibus de Curitiba) afirmou que ninguém saiu ferido.

A operação da Polícia Civil que pode ter provocado a retaliação teve como objetivo combater os homicídios registrados no bairro relacionados a uma disputa pelo comando do tráfico de drogas. Uma pessoa foi presa e outra morreu em confronto com policiais militares. Dois irmãos estão foragidos.

Caso a população tenha informações que ajudem nas investigações contra o tráfico de drogas, podem ligar, de forma anônima, para o 197, da PCPR, ou 181, do Disque-Denúncia.

O que diz a Setransp

Em nota, o sindicato afirmou que “repudia o incêndio criminoso do ônibus articulado”.

“Felizmente, ninguém se feriu. No entanto, o vandalismo deixa outras consequências, e quem sai prejudicada é toda a sociedade. Uma delas é imediata: menos ônibus para atender a população. O Setransp acompanha o caso de perto e já entrou em contato com a Urbs e os órgãos de segurança para que esse tipo de ato seja coibido rapidamente e os culpados, punidos, a fim de que essa prática não se torne corriqueira e, potencialmente, trágica”, disse o Sindicato.