Mulher com bolsa de Lula é espancada no DF; Vítima vê violência política

Mulher com bolsa de Lula é espancada no Distrito Federal - Foto: Reprodução
Mulher com bolsa de Lula é espancada no Distrito Federal - Foto: Reprodução

No último domingo (25), uma joalheira, de 49 anos, foi agredida por um homem, ainda não identificado, na quadra 710 da Asa Norte, no Distrito Federal. A vítima carregava uma bolsa com o rosto de Lula (PT), candidato à Presidência da República, estampado quando recebeu um chute na região das costas, sem qualquer motivo aparente.

Após o ataque, o suspeito fugiu sem levar nenhum objeto. A Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) investiga o espancamento de uma mulher.

Segundo relatos da vítima, ela voltava de um evento musical e empurrava a bicicleta pelo acostamento da rua que corta as quadras 700 da Asa Norte.

“Senti um chute muito forte pelas costas e caí no chão. Só escutei o agressor gritando, ‘perdeu, perdeu perdeu’. Mas em momento algum anunciou um assalto ou algo parecido. Ele só me chutava enquanto eu já estava caída”.

Veja as últimas pesquisas eleitorais para presidente:

No momento das agressões, a joalheira carregava, além da bolsa com a foto do candidato petista, uma bicicleta, relógio, carteira e outros itens que poderiam ter sido roubados.

“Não houve esboço de assalto ou roubo. Eu tentava chutá-lo de volta para me defender, mas fiquei muito machucada e nada foi levado”, disse a mulher.

As agressões contra a vítima, que estava caída no chão recebendo chutes, só encerraram, quando uma mulher que caminhava e um homem que passava de carro pararam para tentar evitar a agressão, foi quando o homem percebeu a aproximação de outras pessoas e fugiu.

A joalheira passou por exame de corpo de delito no Instituto Médico Legal (IML) e se recupera dos ferimentos.

A mulher pede providências para identificar o agressor e saber se o episódio foi motivado por conta de posicionamento político.

“É importante a polícia apurar as circunstâncias dessa agressão. Não é possível, ainda, afirmar com certeza se houve motivação política, mas fui agredida sem motivo algum. Não consegui, sequer, ver o rosto ou como o criminoso estava vestido. No entanto, as testemunhas relataram que ele tinha cabelo curto e encaracolado, cerca de 1,7m de altura e o rosto cheio”, observou.