Visando articulação para 2018 em SP, Doria e Matarazzo se aproximam

SÓ PODE SER PUBLICADO COM ASSINATURA

IGOR GIELOW

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - De olho nas articulações para 2018, o prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), convidou um de seus maiores desafetos, Andrea Matarazzo (PSD), para um almoço de aproximação. A articulação de lado a lado pode levar o pessedista de volta à prefeitura, como secretário, caso Doria deixe o cargo no ano que vem, ou a uma composição visando a eleição estadual.

O almoço, revelado pela Folha de S.Paulo, ocorreu nesta quarta (3). Doria havia o abordado em um jantar recente em homenagem ao ex-senador e ex-ministro Jorge Bornhausen, sob os auspícios do "dono" do PSD, o ministro Gilberto Kassab (Comunicações).

Segundo interlocutores, no almoço em si só foram tratados projetos de Matarazzo para São Paulo, simbolizando a aproximação que vem sendo cozinhada pelo PSD e setores do PSDB. O pessedista era o candidato preferido da cúpula tucana para concorrer à prefeitura em 2016, mas acabou atropelado nas prévias por Doria. O empresário, distante da política partidária, foi lançado pelo governador Geraldo Alckmin (PSDB) como forma de afirmar-se na disputa interna do partido e acabou eleito no primeiro turno.

Acusando o adversário de fraude nas prévias, Matarazzo acabou mudando para o PSD e uniu-se, como vice, a Marta Suplicy (PMDB) -que amargou um terceiro lugar na disputa.

Como indicou pesquisa Datafolha neste fim de semana, Doria emerge como um nome ainda desconhecido e em condições mais competitivas do que as de caciques tucanos como Alckmin ou o senador Aécio Neves (MG), presidente da sigla.

Doria tem baixa rejeição (16%) e poderia buscar encarnar o papel de protagonista no campo contrário ao de Luiz Inácio Lula da Silva (PT), seja o ex-presidente candidato ou não -o candidato hoje à direita é Jair Bolsonaro (PSC), que saltou para o segundo lugar na sondagem, mas sua anemia partidária e retórica de extrema direita dificultam prognósticos a seu favor na hora de uma campanha.

Assim, a composição especulada em São Paulo pode desembocar em dois cenários, caso Alckmin não seja mesmo candidato a presidente e Doria assuma o papel. Num, Matarazzo voltaria como um supersecretário da gestão do hoje vice-prefeito Bruno Covas (PSDB).

Em outro, poderia ser vice de David Uip, o secretário da Saúde de Alckmin que já foi defendido para o governo pela seção estadual do PSDB, embora negue ter interesse na empreitada.

Contra a segunda hipótese está a ideia de oferecer novamente uma vice para Matarazzo, que, segundo aliados, dificilmente aceitaria. Opera em favor da articulação toda Kassab, igualmente atingido pela Lava Jato e que precisa de uma chapa forte em São Paulo para eleger uma bancada que mantenha coesão na sigla que criou.

Para isso, poderia voltar a se aliar ao PSDB como no passado, restando como incógnita da equação o papel reservado ao PSB, que não está nada feliz com a dança tucana em curso, já que pretendia lançar o vice-governador Márcio França ao Palácio dos Bandeirantes com apoio de Alckmin, em troca de apoio nacional.