Visita do Papa em julho à África é confirmada, apesar de problemas de saúde

Por Philip Pullella

CIDADE DO VATICANO (Reuters) - O Papa Francisco deve fazer uma viagem cansativa a países africanos em julho, apesar de dores no joelho que o forçaram a usar uma bengala e cadeira de rodas nas últimas semanas.

O Vaticano emitiu a programação completa neste sábado para a viagem entre 2 e 7 de julho à República Democrática do Congo e ao Sudão do Sul. Houve especulações de que a visita do papa à África pudesse ser adiada, assim como uma viagem ao Líbano marcada para junho.

O papa de 85 anos passa por tratamento para a dor no joelho, que acredita-se ter sido causada por um rompimento de ligamento.

O ritmo da viagem sugere que o Vaticano espera que a condição do papa melhore no próximo mês, embora autoridades digam internamente que ele provavelmente usará uma cadeira de rodas pelo menos durante parte do tempo. A visita inclui milhares de quilômetros de viagem, cinco voos e pelo menos uma dúzia de discursos.

Francisco passará quatro dias na República Democrática do Congo, visitando a capital Kinshasa e Goma na tumultuada região leste.

O embaixador italiano, seu guarda-costas e motorista foram mortos em uma emboscada no norte de Goma ano passado.

O governo declarou estado de sítio e colocou algumas províncias sob lei marcial para lidar com grupos armados realizando ataques na região. Eles incluem a ADF, que possui laços com o Estado Islâmico.

A programação prevê uma reunião com vítimas de violência na região leste do país.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos