Visita de Papai Noel é suspeita de deixar 23 mortos por Covid-19 em asilo belga

ANA ESTELA DE SOUSA PINTO
·2 minuto de leitura

BRUXELAS, BÉLGICA (FOLHAPRESS) - Uma pequena cidade do nordeste da Bélgica investiga se a visita de um Papai Noel a um asilo foi a causa de um surto de coronavírus que deixou ao menos 23 mortos, até esta segunda (28). Os primeiros casos começaram a ser diagnosticados há 15 dias, pouco após a passagem, no dia 4, de um visitante fantasiado de Papai Noel. Segundo levantamento do virologista belga Marc Van Ranst, 97 idosos, além de 17 funcionários e do visitante, foram contaminados pela mesma variante de coronavírus. Mas, como o Papai Noel era um visitante habitual da casa, também é viável a hipótese de que ele tenha sido contaminado por um funcionário do local, em vez de ser o disseminador original da doença. Segundo a empresa que administra o lar de idosos, o Papai Noel ficou em áreas comuns da casa de saúde, sempre usava máscara e não distribuía presentes. Outros 10 moradores do asilo foram infectados por três outras variantes do coronavírus, de acordo com Van Ranst. No total, 121 internos e 36 funcionários tiveram teste positivo nas últimas duas semanas. A tragédia de Natal mobilizou os cerca de 35 mil habitantes de Mol, cidade que fica 63 km a nordeste de Bruxelas, em Flandres. Asilos dessa região belga de fala flamenga foram os locais em que se concentrou boa parte das mortes na primeira onda de Covid-19, no primeiro semestre deste ano. Metade das mortes por coronavírus registradas pela Bélgica no período ocorreu em casas de repouso. Após o elevado número de óbitos nesses locais, que colocou o país no topo do ranking de mortes por coronavírus em relação à população (165/100 mil até esta segunda, 28), visitas foram proibidas e o governo elevou o rigor na prevenção à doença por parte dos funcionários, reduzindo o contágio. A Bélgica aplicou nesta segunda suas primeiras injeções de imunizante, justamente em moradores dessas instituições. Em Bruxelas, a primeira vacinada foi Lucie Danjou, 101, a residente mais idosa de um lar de Woluwe-Saint-Pierre. O governo regional afirmou que os 11,5 mil idosos hospedados em seus 137 asilos terão recebido a primeira dose da vacina contra Covid-19 até o final de janeiro. Em Flandres, a primazia na vacinação foi de Jos Hermans, 96, e na Valônia (região de fala francesa), a pioneira foi Josepha Delmotte, 102.