Vitaminas personalizadas podem colocar em risco a saúde e a privacidade

A oferta personalizada de vitaminas pela internet ganhou espaço no mercado brasileiro de suplementos. Em moldes similares ao que já existia no exterior — principalmente nos Estados Unidos —, empresas oferecem recomendação de suplementação a partir de um quiz que busca avaliar objetivos e características físicas e comportamentais, como idade, rotina alimentar e condições de saúde.

Auxílio Brasil: Frio e espera para ter direito a entrar na fila do benefício

Nas redes: Soro de leite a R$ 4,49 viraliza, após leite chegar a quase R$ 10

Tensão: Fusão de Rede D'Or e SulAmérica leva setor de saúde a pressionar o Cade. Diretoria da ANS dá voto contra operação

Esse tipo de empreendimento, porém, levanta questionamentos entre especialistas. O principal é que a mesma empresa responsável por diagnosticar a necessidade de suplementação é a que faz a comercialização do produto, como destaca o Conselho Regional de Nutrição da 4ª Região.

— A construção de uma narrativa de que todos têm necessidade de suplementação de vitaminas não é adequada, apesar de explorada nas estratégias publicitárias. Alguns estudos já demonstram preocupação com o crescimento da suplementação — diz o conselheiro Fernando Lamarca.

Uma das plataformas brasileiras para venda de produtos personalizados, a SetYou, afirma já ter vendido cem mil fórmulas, além de levantar R$ 3,5 milhões com investidores. A Habits também atraiu capital de investidores. O segmento de vitaminas como um todo cresceu 21% em 2021, comparado ao ano anterior, segundo a Associação Brasileira da Indústria de Alimentos para Fins Especiais (Abiad).

No site de uma das empresas, por exemplo, é possível obter o diagnóstico com base em objetivos gerais, como emagrecimento, memória, energia, libido, exercício físico, sono, entre outros. É possível indicar mais de um objetivo.

O passo seguinte é apontar outros problemas para os quais as vitaminas podem ajudar. A lista sugerida vai desde pressão alta a dores nas articulações. O interessado indica quais são os elementos que fazem parte de sua rotina, como café, exposição ao sol, exercícios físicos ou compulsão por comida. Com base nos problemas e necessidades apontados, o site envia a prescrição e dá ao consumidor a opção de escolher receber as vitaminas em cápsulas ou pó solúvel.

Proteção de dados

Ao concluir o quiz e receber a indicação de vitaminas, o consumidor pode optar por prosseguir com a compra ou não. O Vitamine-se indica vitaminas separadas, com o custo a partir de R$ 50 para uma. Mas o valor pode ser bem maior se optar por uma gama de sugestões. SetYou e Habits indicam fórmula com diversas vitaminas a um custo médio entre R$ 120 e R$ 180. A manipulação é feita por farmácia.

Nova tecnologia: Com 5G, teles terão de ser mais claras na oferta de planos ao consumidor

Em alguns sites, além da venda da vitamina, há a possibilidade de assinatura de pacotes que incluem aconselhamento com nutricionista.

De acordo com as empresas, os algoritmos aplicados nas perguntas e recomendações são baseados em artigos científicos e consultorias de profissionais da saúde.

— Muito nos preocupa uma prescrição realizada por meio de quiz, uma vez que o respondente pode “manipular” as respostas visando a prescrição em si — diz Elton Bicalho, conselheiro do Conselho Regional de Nutrição da 4ª Região.

O Conselho Regional de Medicina do Estado do Rio (Cremerj) afirma que a prescrição de medicamento, inclusive complexos vitamínicos, é ato médico, que, em alguns casos, exigirá exames. A automedicação, destaca, é um risco à saúde.

Especialistas em direito digital identificam também risco à privacidade. O quiz que, na maioria dos casos parece inocente, pode expor dados sensíveis, principalmente de saúde.

— Não encontrei em nenhuma plataforma a transparência necessária sobre a finalidade do uso dos dados, a política de proteção e tratamento das informações. Não há pedido claro, específico de consentimento do consumidor quando são requisitados dados sensíveis relacionados à saúde — alerta a advogada Maria Luciana Pereira de Souza, especialista em Direito Digital.

Juliana Oms, pesquisadora do programa de Direitos Digitais do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec), diz que os sites devem informar parâmetros para a formação do algoritmo e o responsável técnico pela s informações.

Plano de saúde: STJ determina reembolso de cirurgia feita fora da rede credenciada, após negativa de cobertura

Docente do Curso Nacional de Nutrologia da Associação Brasileira de Nutrologia (Abran), Sandra Lucia Fernandes explica que a suplementação de vitaminas é mandatória só na gestação, lactação e para paciente bariátrico:

—Pessoas saudáveis podem e devem atingir necessidades diárias com boa alimentação.

A nutróloga aponta ainda riscos da hipervitaminose. Por exemplo, excesso de vitamina A pode causar quadro neurológico grave.

O que dizem as empresas

Em nota, a SetYou afirmou que profissionais de saúde utilizam o site com pacientes, devido ao rigor do algoritmo.

Depois de desistir: Musk se esquiva de perguntas sobre o Twitter em conferência com magnatas

A Habits diz que as preocupações das entidades são válidas, mas destacou que não se restringe a vender vitamina, e oferece plano com acompanhamento nutricional.

A Vitamine-se ressaltou que seus suplementos são regulamentados pela Anvisa e que tem nutricionistas a serviço para tirar dúvidas, direcionando quando é preciso acompanhamento profissional.

Procurada para esclarecer a regulação da atividade, a Anvisa afirmou que se por se tratar “de modelo de negócio inovador, não é possível concluir, no momento, o enquadramento dos produtos (suplemento ou medicamento) e a forma de regularização da empresa somente pela avaliação do site.” A agência disse que buscará informações com as empresas.

Entenda como funciona e o que observar

Todo mundo deve tomar vitamina?

Segundo a nutróloga Sandra Lúcia Fernandes, da Abran, não há respaldo na literatura médica para uso de vitaminas indiscriminadamente em pessoa saudável. Apenas durante a gestação, na fase de lactação e pessoas que passaram por cirurgia bariátrica. Nos demais casos é preciso análise e até exames.

Qual o risco de uso indiscriminado de vitaminas?

Fernando Lamarca, conselheiro do Conselho Regional de Nutrição da 4ª Região, diz que os riscos estão relacionados à dose consumida diariamente, o período de consumo e o tipo de vitamina. O consumo excessivo de betacaroteno foi associado a aumento do risco de câncer de pulmão. Altas dosagens de vitamina D podem contribuir para o desenvolvimento de pedra nos rins.

O que se deve saber antes de responder o ‘quiz’?

O site deve informar claramente a finalidade para a qual serão usados os dados, como serão armazenados, por quanto tempo e ainda se as informações serão compartilhadas.

Qual o papel do algoritmo?

Informe-se a repeito dos parâmetros de análise usados pela inteligência artificial para prescrever o produto. Procure saber se há profissionais de saúde responsáveis .

E se tiver problema ?

As empresas dizem oferecer acompanhamento de profissionais, como farmacêuticos e nutricionista durante o tratamento e para aconselhamento do consumidor, algumas dizem ser possível refazer o produto e garantem dar assistência em caso de efeitos colaterais. Em caso de dúvida de prática irregular ou de problema pode-se procurar o Procon e a Agência Nacional de Proteção de Dados, se identificar risco às informações pessoais.

(Colaborou Luciana Casemiro)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos