Vitrine de Rodrigo Garcia, programa Bolsa do Povo não chega a estudantes em SP

***FOTO DE ARQUIVO*** SÃO PAULO, SP, 17.09.2022 - O atual governador de São Paulo e candidato à reeleição pelo PSDB, Rodrigo Garcia, durante debate no SBT. (Foto: Ronny Santos/Folhapress)
***FOTO DE ARQUIVO*** SÃO PAULO, SP, 17.09.2022 - O atual governador de São Paulo e candidato à reeleição pelo PSDB, Rodrigo Garcia, durante debate no SBT. (Foto: Ronny Santos/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Uma das vitrines do governador Rodrigo Garcia (PSDB-SP) em sua busca pela reeleição, o programa Bolsa do Povo não teve execução em sua modalidade destinada a estudantes em 2022.

Em junho, o Painel mostrou que o Bolsa do Povo Estudante, que tem como alvo estudantes da rede pública estadual de ensino com o objetivo de combater a evasão escolar, não havia tido execução ainda no ano. A situação mantém-se inalterada, revela levantamento até 31 de agosto realizado pelo gabinete do deputado estadual Paulo Fiorilo (PT-SP).

A ação destina R$ 1.000 para cada estudante e tem orçamento de R$ 300 milhões. Lançado em 2021 com meta de 300 mil inscritos, o Bolsa do Povo Estudante tem atualmente 149 mil.

O Bolsa do Povo, programa social de transferência de renda do governo de São Paulo criado em 2021 quando João Dória (PSDB) era governador, tem orçamento de R$ 1,8 bilhão. Até o momento, R$ 871 milhões (47,6%) já foram empenhados. A ação Bolsa do Povo Estudante é a segunda maior do programa, que inclui também o Vale Gás, o Viva Leite, entre outros.

"Não é razoável que o governo continue dizendo que o Bolsa do Povo é o maior programa social da história de São Paulo se ele não está sendo executado na sua totalidade. Não é admissível que nesse cenário, e com recurso disponível, o Estado não atue assertivamente para transferir renda para as famílias vulneráveis, e com a urgência que a situação demanda", diz Fiorilo.

Em junho, o governo estadual disse à coluna que faria alterações nas condicionalidades do programa para que o número de adesões crescesse. A principal mudança, segundo a gestão estadual, seria em relação à exigência de cumprir duas horas de atividades online diariamente, mais própria ao período de pico da pandemia, quando os estudantes estavam em suas casas.

Em nota, a secretaria de educação de São Paulo diz que o Bolsa do Povo Estudante segue em execução e está com inscrições para novas adesões abertas até 16 de outubro.

"Regularmente, são realizadas ações de divulgação para incentivar a participação de novos beneficiários. O processo de reanálise das condicionalidades do Bolsa do Povo Estudante está em andamento, de acordo com a legislação vigente. Todos os recursos necessários ao pagamento do adimplentes com o programa estão garantidos", diz o texto.