Viúva de motorista de Marielle volta para casa pela primeira vez após 1 ano

Viúva de Anderson Gomes afirmou que quer o mandante seja identificado, mas não pretende fazer disso uma bandeira. (Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil)

Pouco mais de um ano depois da morte Anderson Gomes, o motorista executado ao lado da vereadora Marielle Franco (PSOL), Agatha Arnaus Reis, de 28 anos, conseguiu voltar para a casa onde vivia com o marido, no Engenho Novo, Zona Norte do Rio de Janeiro.

As informações são do jornal O Globo.

Desde o assassinato de Anderson, em 14 de março de 2018, Agatha morava com o filho do casal, Arthur, de 2 anos e 10 meses, na casa da mãe dela, em Inahúma, também na Zona Norte do Rio.

Ao O Globo, Agatha contou que não teve tempo de cair em depressão e que priorizou a criação do filho, Arthur, que nasceu com uma má formação e depende de cuidados especiais. Formada em Direito, é funcionária pública do estado, cedida ao Ministério Público.

Leia mais
Reforma da Previdência tira ‘proteção à gestante’

“O que eu quero para a minha vida daqui para frente é ter tempo para o Arthur e para mim. Quero viajar, passear com ele e cuidar dele com excelência. Não quero nada que me dê mais dor de cabeça, que me estresse”, disse Agatha.

“Estou seguindo. O fato de ter o Arthur, que precisa de tantos cuidados diferentes, me prende um pouco e me deixa mais centrada. No momento, minha vida é ele”, completou.

Em relação à política, a jovem disse que está sempre em contato com o PSOL e com os pais de Marielle e Mônica Benício, viúva da vereadora. Ela também disse que quer saber quem encomendou o crime, mas frisou que essa não é a causa de sua vida. “Não quero transformar o que aconteceu numa bandeira”, afirmou.

Apesar da tragédia, Agatha diz que é, sim, feliz. “Aconteceram coisas péssimas, mas tenho muitas outras coisas boas. Sou grata pelo tempo que tive com o Anderson. Sou grata pelo Arthur”, declarou.