Viviane Araújo fala do seu amor pelo Salgueiro e sobre o cancelamento do evento: 'Chorei'

·1 minuto de leitura

Musa do carnaval e rainha de bateria do Salgueiro, Viviane Araújo concorda que a melhor decisão tomada foi o cancelamento da folia e dos desfiles, por conta da pandemia do coronavírus. Isso não quer dizer, claro, que o fato de não haver carnaval não provoque tristeza. Ainda mais para a atriz e bailarina, que desfila há cerca de 25 anos. De acordo com Viviane, há uma sensação de "vazio". Ela reitera, porém, que não haveria condições de colocar uma escola na avenida com as circuntâncias atuais.

"Desde que me conheço por gente, sempre brinquei carnaval. De avenida, tenho 25 anos de desfiles. É muito tempo, metade da minha vida dedicada ao carnaval, minha escola. Dá um vazio, uma tristeza. Já chorei. Tem dias que fico mais sentimental e vejo vídeos e fotos. Aí choro...ligo prum amigo, a gente conversa...", conta ela, durante uma live com Thereza Cristina, na internet.

"Mas a gente sabe que, no momento que a gente está passando, fica inviável. A gente fazer essa festa, curtir, brincar, abraçar, beijar ficar no meio de todo mundo que a gente ama. Não tem como. Não tem como colocar uma escola na avenida, mesmo com todo mundo vacinando até maio e junho. Não haveria tempo de ensaiar uma comunidade inteira. Melhor coisa foi adiar, deixar para o ano que vem. Para as escolas se reestruturarem também, porque estão sem dinheiro", explica ela.