Vivienne Westwood, a provocativa dama da moda britânica, morre aos 81 anos

A estilista Vivienne Westwood é carregada após desfilar na London Fashion Week Men em 2017

Por Marie-Louise Gumuchian

LONDRES (Reuters) - Como a pessoa que vestiu os Sex Pistols, Vivienne Westwood, que morreu nesta quinta-feira aos 81 anos, era sinônimo do punk rock dos anos 1970, uma rebeldia que permaneceu como marca registrada de uma designer assumidamente política que se tornou um dos maiores nomes da moda britânica.

"Vivienne Westwood morreu hoje, pacificamente e cercada por sua família, em Clapham, no sul de Londres. O mundo precisa de pessoas como Vivienne para fazer uma mudança para melhor", disse o canal oficial da sua marca no Twitter.

Mudanças climáticas, poluição e seu apoio ao fundador do WikiLeaks, Julian Assange, serviram de base para camisetas ou faixas de protesto carregadas por suas modelos na passarela.

Ela se vestiu como a então primeira-ministra Margaret Thatcher para uma capa de revista em 1989 e dirigiu um tanque branco perto da casa de campo de um futuro líder britânico, David Cameron, para protestar contra o "fracking", uma uma técnica utilizada para realizar perfurações em busca de petróleo.

A rebelde entrou para o establishment em 1992 após a rainha Elizabeth lhe conceder a medalha da Ordem do Império Britânico. Mas, sempre querendo chocar, Westwood apareceu no Palácio de Buckingham sem calcinha --um fato que ela provou aos fotógrafos por um giro revelador de sua saia.

"A única razão pela qual estou na moda é para destruir a palavra 'conformidade'", disse Westwood em sua biografia de 2014. "Nada é interessante para mim a menos que tenha esse elemento."

Imediatamente reconhecível por seu cabelo laranja ou branco, Westwood fez seu nome pela primeira vez na moda punk na Londres dos anos 1970, vestindo a banda de punk rock que definiu o gênero.

Juntamente com o empresário dos Sex Pistols, Malcolm McLaren, ela desafiou as tendências hippies da época para vender roupas inspiradas no rock'n'roll.

Eles passaram a usar roupas rasgadas adornadas com correntes, bem como peças de látex e de fetiche que vendiam em sua loja na King's Road de Londres, chamadas de "Let It Rock", "Sex" e "Seditionaries", entre outros nomes.

Eles usaram estampas de suásticas, seios nus e, talvez o mais conhecido, uma imagem da rainha com um alfinete de segurança nos lábios. Os itens favoritos incluíam camisetas pretas sem mangas, cravejadas com zíperes, alfinetes de segurança ou ossos de galinha.

"Não havia punk antes de mim e Malcolm", disse Westwood na biografia. "E a outra coisa que você deve saber sobre o punk também: foi uma explosão total."

"COMPRAR MENOS"

Nascida Vivienne Isabel Swire em 8 de abril de 1941 na cidade inglesa de Glossop, Westwood cresceu em uma época de racionamento durante e após a Segunda Guerra Mundial.

Uma mentalidade de reciclagem permeou seu trabalho, e ela repetidamente disse aos fashionistas para "escolher bem" e "comprar menos". Desde o final dos anos 1960, ela morou em um pequeno apartamento no sul de Londres por cerca de 30 anos e pedalava para o trabalho.

Quando ela era adolescente, seus pais, verdureiros e tecelões de algodão, mudaram-se com a família para o norte de Londres, onde ela estudou joalheria e ourivesaria antes de voltar a estudar para ser professora.

Enquanto lecionava em uma escola primária, ela conheceu seu primeiro marido, Derek Westwood, casando-se com ele com um vestido feito em casa. O filho deles, Ben, nasceu em 1963 e o casal se divorciou em 1966.

Agora mãe solteira, Westwood vendia joias na Portobello Road, em Londres, quando conheceu o estudante de arte McLaren, que viria a ser seu parceiro romântico e profissional. Eles tiveram um filho, Joe Corre, cofundador da marca de lingerie Agent Provocateur.

Após a separação dos Sex Pistols, os dois realizaram seu primeiro desfile em 1981, apresentando um "novo visual romântico" de padrões de estilo africano, calças bucaneiro e faixas.

Westwood, então na casa dos quarenta anos, começou lentamente a traçar seu próprio caminho na moda, eventualmente se separando de McLaren no início dos anos 1980.

Muitas vezes olhando para a história, seus designs influentes incluíram espartilhos, ternos Harris Tweed e vestidos de baile de tafetá.

Sua linha "Mini-Crini" de 1985 apresentou sua saia curta bufante e uma silhueta mais ajustada. Seus sapatos de plataforma altíssimos chamaram a atenção mundial em 1993, quando a modelo Naomi Campbell tropeçou na passarela usando um par.

"Minhas roupas têm uma história. Elas têm uma identidade. Elas têm caráter e um propósito", disse Westwood.

"É por isso que elas se tornam clássicas. Porque elas continuam contando uma história. Elas ainda estão contando."

A marca Westwood floresceu na década de 1990, com fashionistas lotando seus desfiles em Paris e abrindo lojas em todo o mundo vendendo suas linhas, acessórios e perfumes.

Ela conheceu Andreas Kronthaler ensinando moda em Viena. Eles se casaram em 1993 e mais tarde ele se tornou seu parceiro criativo.

Westwood usou seu perfil público para defender questões como o desarmamento nuclear e para protestar contra as leis antiterrorismo e as políticas de gastos do governo que atingem os pobres. Ela segurou uma grande bandeira da "revolução climática" na cerimônia de encerramento das Paraolimpíadas de 2012 em Londres e frequentemente transformava suas modelos em ecoguerreiras da passarela.

"Sempre tive uma agenda política", disse Westwood à revista de moda L'Officiel em 2018.

"Usei a moda para desafiar o status quo."

(Por Marie-Louise Gumuchian, com reportagem adicional de Alistair Smout)

((Tradução Redação São Paulo))

REUTERS PAL