Vizinha que agrediu jovem autista no Rio será ouvida hoje; laudo do IML aponta lesão corporal contra a vítima

Marjoriê Cristine
·3 minuto de leitura
vizinha-agressora-arrasta-adolescente-autista-condominii-barra-da-tijuca-rio-de-janeiro.jpg

RIO — A vizinha que agrediu e arrastou um adolescente autista em um condomínio da Barra da Tijuca, na Zona Oeste do Rio, será ouvida nesta quarta-feira, dia 7, na Delegacia da Criança Adolescente Vítima (DCAV). Até o momento, dos dez intimados para prestar depoimento, seis já foram ouvidos no início desta semana, entre eles o representante legal da vítima, já que o jovem tem 16 anos, um dos porteiros, a subsíndica e três mães que presenciaram a cena. Além da agressora, um outro porteiro e um morador do prédio que, segundo as investigações e as imagens do vídeo que circulou nas redes sociais, teve participação omissiva no momento das agressões. No sábado, dia 3, o adolescente fez um exame de corpo de delito no Instituto Médico Legal (IML), que apontou que ele sofreu lesão corporal.

A vizinha já era investigada por agressão contra pessoa portadora de necessidades especiais, além de constrangimento ilegal e lesão corporal. Mas ele deve ainda responder por um fato anterior, quando invadiu a casa da vítima, empurrou e cuspiu no rosto da mãe do menino, uma idosa aposentada. Depois, ela retirou o adolescente de dentro de casa e o levou para o pátio. As agressões estão relatadas no livro ata do condomínio, datada de 14 de março. Por esse caso, a vizinha deve ser indiciada por crime contra a honra da idosa.

Com o avanço das investigações, que estão à cargo do delegado titular da DCAV, Adriano França, o inquérito pode ser concluído até o início da próxima semana. A polícia ainda apura a informação de que o jovem autista já havia sido agredido por um dos porteiros, conforme relatou uma testemunha. Os agentes buscam materializar esse outro crime.

Com o avanço das investigações, que estão à cargo do delegado titular da DCAV, Adriano França, o inquérito pode ser concluído até o início da próxima semana. Outros envolvidos podem ser indiciados no caso. A polícia ainda apura a informação de que o jovem autista já havia sido agredido por um dos porteiros, conforme relatou uma testemunha. Os agentes buscam materializar esse outro crime.

Entenda o caso

O caso é investigado desde quinta-feira, dia 1º de abril pela Delegacia da Criança Adolescente Vítima (DCAV), quando as imagens que circulavam pelas redes sociais chegaram até ao departamento. No mesmo dia, agentes identificaram o condomínio e foram até o local para buscar informações, além de identificar a vítima, a agressora e testemunhas. Na tarde desta sexta-feira, dia 2, o jovem foi levado pela mãe e por policiais para realizar um exame de corpo de delito no Instituto Médico Legal (IML).

No mesmo dia, os investigadores estiveram no condomínio e conversaram com vizinhos dos envolvidos no caso. Segundo a polícia, eles informaram que a suspeita é uma pessoa violenta e que sabia do transtorno do adolescente. O motivo da confusão teria sido porque a placa do carro do carro da moradora apareceu amassada e ela acusou o menino.

No vídeo gravado por crianças que estavam no local registraram o fato. Nas imagens, é possível ver a mulher arrastando o adolescente pelo corredor de uma das áreas comuns do condomínio por vários metros. Ela chega a pedir a ajuda a outro homem, mas resolve pegar o jovem sozinha e o agride ao tirá-lo forçadamente do local.

No dia 14 de março, a autora utilizou o livro ata do prédio para reclamar que o menino, que tem 16 anos, arrancou as duas placas do seu veículo, colocou lixo em volta do pneu e ainda teria arranhado a lataria. Na mensagem, ela afirma que um dos porteiros viu o adolescente perto do carro, mas o funcionário não flagrou o menor praticando nenhum ato. No mesmo dia, a mãe do menino, uma aposentada, deixou uma mensagem para informar que foi agredida fisicamente e verbalmente pela vizinha.