Você pode até se achar melhor do que os outros, mas dificilmente é

Foto: Katie Tegtmeyer/ Flickr

Você é um motorista melhor do que a maioria das pessoas? É o melhor amigo do mundo para seus colegas? E se disséssemos que a maioria das pessoas pensa exatamente o mesmo sobre si mesmo? Não faz sentido matemático – por definição, metade de todas as pessoas deve estar abaixo da média – mas é verdade. A ideia de que a maioria das pessoas se classificam de forma mais positiva do que classificam os outros é uma fator comum da pesquisa em psicologia. Isso é conhecido como o efeito “melhor do que a média”.

Estudos mostraram evidências de que o efeito melhor do que a média é real, mas ainda há muitas perguntas. Por exemplo, isso acontece porque as pessoas sentem a necessidade de se verem melhores do que as outras pessoas, ou há algo inerente na maneira de julgar a nós mesmos que nos coloca acima da média? E de qualquer forma, é tão errado?

Alguns de nós devem estar acima da média em algumas coisas, e a maioria de nós não vai muito longe em nossos julgamentos favoráveis. Como a The Economist afirmou: “Acreditar que posso fazer um pouco melhor do que a média da minha equipe de corrida pode me motivar a melhorar o meu tempo. Acreditar que eu posso correr duas vezes mais rápido que a média pode me levar ao fracasso.”

Mas a realidade pode ficar bastante distorcida. O exemplo mais marcante do efeito é mostrado em um estudo de 2013 publicado no British Journal of Social Psychology. Os pesquisadores do estudo se concentraram em pessoas que estão objetivamente abaixo da média em uma ampla variedade de traços de personalidade: prisioneiros condenados. Eles descobriram que, ao se compararem a outros prisioneiros, os prisioneiros se classificavam como mais morais, confiáveis, honestos, confiáveis, compassivos, generosos, cumpridores da lei, autocontrolados e bondosos.

Talvez isso não seja surpreendente – eles estão se classificando contra seus próprios colegas, afinal de contas – mas isso é: eles também se classificaram como melhores do que os não-prisioneiros comuns em todos os sentidos – menos um, a obediência à lei.