Volta às aulas: comitê científico define nesta segunda-feira sobre ensino presencial de escolas municipais do Rio

Luiz Ernesto Magalhães
·1 minuto de leitura
Foto: Pedro Teixeira 17-11-2020 / Agência O Globo

O novo comitê científico da prefeitura terá sua primeira reunião hoje. Entre os temas a serem discutidos, a proposta para a retomada das aulas presenciais na rede municipal. O retorno divide opiniões. Ontem, em mensagem nas redes sociais, o prefeito Eduardo Paes disse que na quarta-feira será apresentado efetivamente o plano de volta às aulas, prevista para iniciar dia 8 de fevereiro.

— Obviamente, o plano pode sofrer mudanças de acordo com o que for acontecendo. Vai ter ensino remoto, rodízio. É muito importante que as nossas crianças voltem a estudar — disse Paes.

O prefeito disse que considera vacinar os professores uma prioridade. Mas o município segue a regra do governo federal das prioridades:

— Mas o importante é que em determinado momento, a gente tem que priorizar quem tem acima de 60 anos. Em algum momento pessoas acima de 60 anos (que não são profissionais de Saúde) —serão vacinadas.

A coordenadora da Unicef no Rio, Luciana Phebo, foi convida para participar da discussão na reunião do comitê científico. O calendário letivo na prefeitura do Rio começa no dia 8 de fevereiro com 202 dias\aula.

Na sexta-feira, em reunião virtual promovida por uma comissão especial de volta às aulas da Câmara, representantes do Tribunal de Contas do Município (TCM), Ministério Público, Defensoria Pública, Sociedade de Pediatria do Estado do Rio de Janeiro, Fiocruz, Conselho de Segurança Alimentar, Conselho Escola Comunidade (CEC) e o movimento Trissomia do Amor defenderam que, apersar da volta às aulas deva ocorrer o mais breve possível, isso só deve acontecer com infraestrutura física e tecnológica adequadas. E também depois da vacinação dos professores e pessoal de apoio.