De volta ao Paraná, Moro ainda tem candidatura incerta

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

Uma semana após ter a transferência de seu domicílio eleitoral para a capital paulista barrada pelo Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo (TRE-SP), o ex-juiz Sergio Moro permanece com seu futuro político incerto no União Brasil.

De juiz linha-dura a pré-candidato barrado em SP: a trajetória de Moro em 17 fases

Sem Moro presidenciável: 'órfãos' do ex-juiz retornam ao bolsonarismo

Eleições 2022: Ciro se compromete a não disputar reeleição e a apresentar reformas nos primeiros seis meses de governo

O ex-ministro do governo Jair Bolsonaro (PL) marcou para esta terça-feira, às 11h, em Curitiba, um pronunciamento ao lado de dirigentes da legenda, como o presidente Luciano Bivar e o vice-presidente Antônio Rueda. No entanto, lideranças do partido ouvidas pelo GLOBO afirmam que ainda não há qualquer definição sobre os próximos passos de Moro na política.

A pessoas próximas, o ex-juiz tem indicado preferência pela disputa ao Senado, concorrendo assim contra o senador e seu ex-aliado Alvaro Dias, do Podemos.

Em São Paulo, Moro havia anunciado a pré-candidatura como senador, mas dirigentes disseram ao GLOBO que ele estava “praticamente convencido” a disputar a Câmara, ideia defendida por integrantes do diretório paulista desde a filiação do ex-juiz, em 31 de março.

Veja também: Indicado por Damares planeja fim da Comissão que investiga mortes e desaparecimentos na Ditadura

STF: Situação de conflito entre governo Bolsonaro e STF é ‘lenda urbana’, diz Gilmar Mendes

Mesmo com o domicílio eleitoral mantido em Curitiba, quadros internos da sigla, como o deputado e vice-presidente do União Brasil Junior Bozzella (SP), continuam defendendo publicamente uma pré-candidatura à Câmara Federal. A avaliação é que Moro não teria dificuldades de se eleger e poderia atuar também como um puxador de votos, ajudando a ampliar a bancada do partido no Congresso.

O martelo deve ser batido apenas após divulgação de uma pesquisa interna encomendada pelo União Brasil, na qual o partido testa o nome de Moro em três cenários: deputado federal, senador e governador do Paraná — sendo o último cargo considerado pouco provável por interlocutores de Bivar, já que, no Paraná, a legenda apoia a reeleição do governador Ratinho Júnior (PSD).

Dirigentes da sigla ouvidos reservadamente acreditam que o ex-juiz teria dificuldades de emplacar a candidatura ao Senado porque o diretório estadual é presidido por Felipe Francischini, apoiador de Bolsonaro.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos