Volta de Pazuello ao governo é recado de Bolsonaro ao Exército

·1 minuto de leitura

BRASÍLIA — A volta do ex-ministro da Saúde, general Eduardo Pazuello, ao governo foi uma decisão pessoal do presidente Jair Bolsonaro. No Palácio do Planalto, a nomeação do militar como secretário de Estudos Estratégicos foi entendida como um recado ao Exército de que Pazuello, ameaçado de punição pela Força por participar de um ato pró-Bolsonaro, tem o seu respaldo da Presidência.

O novo cargo, contudo, não impede que o general seja penalizado, segundo fontes militares. Ao subir em um palanque durante manifestação bolsonarista no Rio e, 23 de maior, Pazuello estava lotado na Secretaria-Geral do Exército. Agora, a volta ao Executivo pode evitar futuras cobranças ao general por comparecer ao lado de Bolsonaro em atos políticos.

Acesse a íntegra da reportagem exclusiva para assinantes

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos