'Volta pra mim?': Twitter procura parte dos demitidos e pede que retornem ao trabalho

O Twitter, que demitiu cerca de metade da empresa na sexta-feira após a aquisição de US$ 44 bilhões de Elon Musk, agora está entrando em contato com dezenas de funcionários que perderam seus empregos e pedindo que retornem.

Impasse: Ministro francês diz que não vai pagar para ter o selo azul de verificação de conta

Veja: Quem são os novos sócios de Elon Musk no Twitter?

Segundo fontes, alguns foram demitidos por engano, enquanto outros foram mandados embora antes que a administração percebesse a utilidade de suas experiências para construção dos novos recursos desejados pelo novo dono.

Cerca de 3.700 pessoas foram cortadas esta semana por e-mail, para reduzir custos após a aquisição da empresa, encerrada no final de outubro. Muitos colaboradores só descobriram que perderam o emprego depois que o acesso a sistemas de toda a empresa, como e-mail e Slack, foi subitamente suspenso. Os pedidos de retorno demonstram agora o quão corrido e caótico foi o processo.

Reajuste: Governo Lula deve propor salário mínimo de cerca de R$ 1.320 para 2023, diz Wellington Dias

À espera do novo Fies: Mercado prevê virada para grupos de ensino superior privado

O plano do Twitter de recontratar trabalhadores foi relatado anteriormente pelo Platformer. Procurada pela Bloomberg, a empresa não respondeu.

Despedida em massa: demissão de metade da empresa por Elon Musk causa onda de frustração

“Em relação à redução da força do Twitter, infelizmente não há escolha quando a empresa está perdendo mais de US$ 4 milhões por dia”, twittou Musk na sexta-feira.

Todos os que saíram receberam três meses de indenização, o que é 50% a mais do que o exigido por lei.

Agora, os 3.700 funcionários restantes na companhia têm sido pressionados para avançar rapidamente na produção dos novos recursos da rede social. De acordo com relatos, alguns até dormiram no escritório para cumprir novos prazos.

Ficou perdido? Entenda as idas e vindas da compra do Twitter pelo homem mais rico do mundo

Liberdade ou mais controle? Como será o futuro do Twitter nas mãos de Elon Musk

Apoio: Binance deu meio bilhão a Musk na compra do Twitter para ‘apoiar liberdade de expressão’, diz CEO

Nessa última semana, o Twitter lançou um novo plano de assinatura Twitter Blue, que oferece o selo de verificação a qualquer usuário que pague US$ 8 por mês. O New York Times informou, porém, que as mudanças nas marcas de seleção devem ser adiadas até depois das eleições de meio de mandato, na terça-feira, por preocupações de que isso poderia ser usado indevidamente.

A empresa ainda prometeu outros recursos para assinantes, incluindo metade dos anúncios, a capacidade de postar vídeos mais longos e obter classificação prioritária em respostas, menções e pesquisas.