Voo com 84 afegãos evacuados via Paquistão chega à Espanha

·3 minuto de leitura
O presidente do governo espanhol, Pedro Sánchez (centro), e a ministra da Defesa, Margarita Robles, aplaudem policiais, soldados e diplomatas que estavam no Afeganistão, na chegada do voo que os repatriou, em 27 de agosto de 2021, em Madri (AFP/Pierre-Philippe Marcou)

Um avião com 84 refugiados afegãos, entre eles colaboradores que trabalharam para as autoridades espanholas e seus familiares, evacuados via Paquistão, chegou à Espanha na noite desta segunda-feira (11), informaram o governo espanhol e a emissora pública TVE.

"A Espanha recebeu hoje (segunda-feira), às 21h00 (16h00 de Brasília), o primeiro avião da Força Aérea vindo de Islamabad (Paquistão) com ex-colaboradores afegãos e suas famílias na Base Aérea de Torrejón de Ardoz, em Madri", anunciou em comunicado o governo.

Os ministros de Defesa, Relações Exteriores e Migrações compareceram ao aeroporto para receber o avião, detalhou o gabinete do presidente do governo espanhol, Pedro Sánchez.

Uma fonte do governo que pediu o anonimato tinha confirmado mais cedo para a AFP a operação para levar à Espanha, via Paquistão, afegãos que trabalharam para o país europeu, sem oferecer mais detalhes, alegando "razões de segurança".

Segundo vários meios de comunicação espanhóis, incluindo o jornal El País e uma rádio pública, são mais de 240 cidadãos afegãos no total, que teriam cruzado a fronteira com o Paquistão, de onde serão transportados para Madri em dois aviões militares.

O primeiro trouxe 84 pessoas, entre elas 14 colaboradores afegãos e seus familiares, segundo a TVE, que mostrou imagens de homens, mulheres e crianças desembarcando da aeronave com alguns pertences.

"Um emocionante reencontro entre um pai, que chegou a Madri em agosto, durante a primeira fase de evacuação desde Cabul, com sua filha, que ficou encurralada lá" e chegou nesta segunda-feira à capital espanhola, tuitou o Ministério da Defesa, junto com um vídeo em que é possível ver a cena.

O segundo avião com as pessoas que faltaram deve chegar à capital espanhola nesta terça-feira (12).

Esta operação vinha sendo preparada há um bom tempo pelo governo espanhol. O ministro das Relações Exteriores, José Manuel Albares, viajou ao Paquistão e ao Catar em setembro para tratar do assunto.

"Nosso agradecimento ao governo do Paquistão por cooperar com a saída de colaboradores afegãos, prioritários para a Espanha", tuitou o ministro Albares.

Assim como outros países ocidentais, a Espanha implementou uma ponte aérea no final de agosto para remover centenas de pessoas do Afeganistão, onde o Talibã assumiu o poder. Essas evacuações foram interrompidas com a saída dos últimos soldados americanos que controlavam o aeroporto de Cabul.

No total, a Espanha conseguiu retirar 2.206 pessoas de Cabul, a grande maioria afegãos, dos quais 1.671 eram colaboradores que trabalharam para a Espanha, que deixaram o país com suas famílias.

O presidente do governo espanhol, Pedro Sánchez, disse no final de agosto que a Espanha não abandonaria os afegãos que não conseguiram partir.

O responsável pela diplomacia da União Europeia, o espanhol Josep Borrell, pediu aos Estados-membros na sexta-feira (8) que acolhessem pelo menos entre 10 e 20 mil refugiados afegãos adicionais.

"Mas, para recebê-los, é preciso tirá-los de lá, e é isso que também estamos fazendo, e não é tão fácil", disse Borrell em um fórum em Madri.

vab/CHZ/du/mb/mr/rpr/mvv/am

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos