Voos entre Catar e Arábia Saudita são retomados após reconciliação

Anne LEVASSEUR
·3 minuto de leitura
Avião da Qatar Airways decola de Doha para a Arábia Saudita, em 11 de janeiro de 2021

Dois dias após a reabertura de sua fronteira terrestre, as conexões aéreas foram retomadas nesta segunda-feira (11) entre Catar e Arábia Saudita, países que se reconciliaram após três anos e meio de rompimento de relações.

Em junho de 2017, a Arábia Saudita e seus aliados - Emirados Árabes Unidos, Bahrein e Egito - romperam relações com o Catar e impuseram sanções, incluindo o fechamento de seu espaço aéreo. A medida impediu a ocorrência de voos diretos.

Esses quatro países acusavam Doha de apoiar grupos islâmicos extremistas e de conspirar com o Irã, rival regional da Arábia Saudita, algo que o Catar sempre negou.

O primeiro voo comercial do Catar para a Arábia Saudita em três anos e meio decolou de Doha nesta segunda-feira, às 11h GMT (8h de Brasília). A aeronave da Qatar Airways pousou em Riade uma hora depois.

Já a Saudi Airlines organizou uma primeira conexão de Riade a Doha às 13h40 GMT (10h40 de Brasília).

A reconciliação e o levantamento das sanções ocorreram durante uma cúpula das seis monarquias que compõem o Conselho de Cooperação do Golfo (CCG), do qual o Catar é membro. A reunião aconteceu na semana passada, na Arábia Saudita.

Os serviços aéreos da grande cidade saudita de Jidá, no Mar Vermelho, deverão ser retomados posteriormente.

O jornal The New York Times noticiou que o Catar estava pagando mais de US$ 100 milhões por ano para usar o espaço aéreo iraniano, evitando, assim, o da Arábia Saudita durante a crise.

Nesse contexto, os Estados Unidos atuaram para reconciliar os países do Golfo, como parte da estratégia de seu presidente Donald Trump de isolar o Irã e acentuar ainda mais sua campanha de "pressão máxima" sobre Teerã.

- "Nosso segundo país" -

Durante anos, a ausência de vínculos entre os dois países impediu que famílias mistas se encontrassem. Também impediu empresários de fazerem negócios, e expatriados que moram no Catar, de viajarem diretamente para os quatro países, principalmente para passar férias em Dubai, um emirado muito atraente por seus hotéis luxuosos e bares.

Os Emirados Árabes Unidos anunciaram a retomada dos trajetos com o Catar, enquanto o Bahrein apontou que seu espaço aéreo foi reaberto nesta segunda-feira para aviões do Catar.

Doha e Riade reabriram seus postos de fronteira no sábado. Muitos motoristas passaram em dois dias pelo posto de Salwa, localizado 500 km a leste de Riade, depois de cruzarem o ponto de passagem terrestre de Abu Samrah, no Catar.

Muitos empresários do Catar injetam há tempos milhões de riais na economia saudita, principalmente nos setores de hotelaria, imóveis e até mesmo na agricultura.

"Viajar para a Arábia Saudita é como viajar para o nosso segundo país. Não há diferença nas tradições", disse no domingo Mohamed al Marri, um catariano que acabara de entrar no país vizinho.

No total, desde que a fronteira foi reaberta, 167 carros do Catar entraram na Arábia Saudita, relatou o diretor-geral do departamento de alfândega em Salwa, Ali Lablabi, no domingo.

O Catar anunciou, por sua vez, medidas rígidas de controle sanitário, devido à pandemia de coronavírus, para as pessoas que chegarem a seu território procedentes da Arábia Saudita.

al-gw/mh/mdz/age/eg/mr/tt