Reino Unido cada vez mais isolado por proibição de viagens; EUA alcança acordo de ajuda econômic

las oficinas de la AFP
·5 minuto de leitura
Seguindo os passos da Holanda, onde a suspensão dos voos de passageiros procedentes do Reino Unido entrou em vigor neste domingo e será mantida até 1o de janeiro, Bélgica e Itália anunciaram que também suspenderão suas conexões aéreas britânicas

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, presidirá nesta segunda-feira uma reunião de emergência para abordar o avanço "fora de controle" de uma nova cepa do coronavírus, enquanto o Congresso americano chegou a um acordo sobre um novo plano de recuperação econômica.

A lista não para de aumentar de países que suspenderam temporariamente os voos procedentes do Reino Unido, após a descoberta de uma variante que seria até 70% mais contagiosa, embora não tenha sido demonstrado que é mais letal.

Especialistas da União Europeia, porém, opinaram que as atuais vacinas contra a covid-19 são eficazes contra essa cepa, segundo anunciou o governo alemão.

"Por tudo o que sabemos até o momento, e após discussões entre especialistas das autoridades europeias", a nova variante do vírus "não tem nenhum impacto nas vacinas" que continuam "sendo eficazes", declarou o ministro da Saúde alemão, Jens Spahn.

Opinião compartilhada por especialistas americanos, que consideram "neste momento que nenhuma cepa do vírus parece resistente às vacinas disponíveis", segundo o assessor do programa de vacinação do governo, Moncef Slaoui.

Seguindo os passos da Holanda, onde a suspensão dos voos de passageiros procedentes do Reino Unido entrou em vigor neste domingo e será mantida até 1o de janeiro, Bélgica suspenderá voos e trens procedentes do Reino Unido a partir de meia-noite e Itália anunciou que também suspenderá suas conexões aéreas britânicas.

A Alemanha também anunciou a suspensão a partir de meia-noite das conexões aéreas com o Reino Unido.

"A partir de meia-noite todos os voos serão interrompidos" para os passageiros procedentes deste país, declarou o ministro da Saúde, Jens Spahn, à rede de televisão ARD.

Essa decisão pode ser adotada pelo conjunto da União Europeia, segundo uma fonte do governo alemão.

A França, por sua vez, suspendeu todos os movimentos de pessoas do Reino Unido por 48 horas a partir da meia-noite. "Só serão autorizados fretes desacompanhados. O fluxo de pessoas ou transportes para o Reino Unido não é afetado", afirmou o governo.

Espanha, por sua vez, pediu uma resposta "coordenada" da Europa sobre esses voos.

Fora da UE, Canadá, Chile, Argentina, Colômbia, Peru, Kuwait, Irã, Suíça, El Salvador e Israel também suspenderam as conexões com a Inglaterra e os três últimos até com a África do Sul, onde foi descoberta a nova variante do vírus SARS-CoV-2.

A Arábia Saudita também suspendeu todos os voos internacionais, bem como o acesso aos seus portos, por pelo menos uma semana.

Como resultado das medidas, Boris Johnson vai presidir na segunda-feira uma reunião para "analisar a situação dos movimentos internacionais e em particular do fluxo regular de mercadorias de e para o Reino Unido", enquanto o porto de Dover anunciou seu fechamento para o tráfego marítimo.

A nova cepa está "fora de controle", admitiu no domingo o ministro britânico da Saúde, Matt Hancock, que justificou o retorno do confinamento em Londres e no sudeste da Inglaterra. "Será muito difícil mantê-la sob controle até que uma vacina esteja amplamente difundida".

O fechamento do porto inglês acontece no pior momento possível e aumentará as perturbações nos portos britânicos às vésperas da saída do país do mercado único europeu, em 31 de dezembro.

A 10 dias do prazo, Londres e Bruxelas continuam negociando um acordo comercial que evite o caos e a introdução de cotas e tarifas para o comércio entre as duas partes.

- Primeiro caso na Itália -

Diante desta nova cepa, a Organização Mundial da Saúde (OMS) e a Agência Europeia para o Controle de Doenças (ECDC) pediram a seus membros que reforcem os controles para combater a propagação da nova cepa.

A Itália anunciou que detectou um primeiro caso diagnosticado em um hospital militar de Roma. Também foram registrados casos na Dinamarca (9), Holanda e Austrália, segundo a OMS, que recomendou aos seus membros "aumentar suas [capacidades de] sequenciamento" do vírus, afirmou uma porta-voz da OMS Europa.

A OMS afirmou que a cepa, além de "indícios preliminares de que pode ser mais infecciosa, poderia também afetar a eficácia de alguns métodos de diagnóstico".

No entanto, até o momento não há "nenhuma evidência sobre uma mudança na gravidade da doença".

A UE prevê o início da campanha de vacinação nos dias 27, 28 e 29 de dezembro. Os embaixadores do bloco devem se reunir nesta segunda-feira em Bruxelas para analisar as restrições dos deslocamentos provocadas pela nova cepa.

A Agência Europeia de Medicamentos (EMA) também examinará nesta segunda-feira a vacina Pfizer/BioNtech, que deve receber aprovação da Comissão Europeia nos próximos dias.

- Acordo nos Estados Unidos -

Nos Estados Unidos, democratas e republicanos alcançaram no domingo um acordo para votar no Congresso um novo plano de apoio à economia, que era negociado há meses.

"Podemos finalmente dizer o que nossa nação precisa ouvir há muito tempo. Mais ajuda (econômica) está a caminho", disse o líder republicano do Senado, Mitch McConnel, confirmando que o pacote de estímulo será de "quase 900 bilhões de dólares".

""Enquanto nossos cidadãos continuam a lutar contra o coronavírus nesta temporada de festas, eles não lutarão sozinhos", acrescentou o republicano.

Com milhões de americanos que perderam o emprego e tantos outros que correm o risco de perder, "este programa irá renovar e estender uma série de importantes benefícios federais de desemprego que ajudaram as famílias a sobreviver", comentou.

Com 316.202 mortos e 17,65 milhões de casos, o país é o mais afetado pelo coronavírus. As autoridades anunciaram que a partir desta segunda-feira disponibilizarão 7,9 milhões de doses a mais para a campanha de vacinação.

O presidente eleito Joe Biden será vacinado nesta segunda-feira.

Em todo o planeta, o coronavírus provocou mais de 1,6 milhão de mortes e infectou mais de 76 milhões de pessoas, de acordo com uma contagem da AFP com base em fontes oficiais.

burs-es/eg/aa/mr/fp