Votação da reforma da Previdência em comissão é adiada em 1 dia, para 4ª-feira

Por Marcela Ayres
Presidente da comissão especial da Previdência na Câmara dos Deputados, Carlos Marun. 17/04/2017 REUTERS/Ueslei Marcelino

Por Marcela Ayres

BRASÍLIA (Reuters) - O presidente da comissão especial da reforma da Previdência na Câmara dos Deputados, Carlos Marun (PMDB-MS), afirmou que a votação da matéria no colegiado acontecerá na próxima quarta-feira, dia 3 de maio, um dia depois da data original.

"Não nos interessa o debate esvaziado aqui, estamos adiando a discussão de hoje para terça-feira e iniciaremos o processo de votação na quarta-feira", afirmou ele a jornalistas nesta quinta-feira.

Segundo Marun, os deputados da oposição se comprometeram a não obstruir os trabalhos na terça-feira, último dia marcado para debates da proposta. Com isso, a expectativa segue de conclusão da apreciação da reforma até o fim da semana que vem na comissão.

"Semana que vem a pauta no plenário vai ser menos intensa, o que vai permitir um trabalho mais dinâmico aqui da comissão", afirmou o deputado.

Nesta madrugada, a Câmara aprovou a reforma trabalhista, na véspera de uma greve geral e manifestações previstas, mas o placar --de 296 votos favoráveis-- não trouxe tranquilidade ao governo sobre o futuro da proposta previdenciária, peça-chave na agenda de recuperação econômica. Para aprovação da reforma da Previdência, são necessários no mínimo 308 votos. [nL1N1HZ0FE]

"Estamos numa curva crescente, mesmo não tendo ontem chegado ao placar de 308 votos estamos a 12 votos desse placar", avaliou Marun.

Após reunião realizada mais cedo com o presidente Michel Temer, Marun afirmou que o presidente deixou os deputados "muito à vontade" para definição do cronograma de trabalho.

(Edição de Patrícia Duarte)