Votação no Equador começa com filas, apesar de medidas contra aglomeração

SYLVIA COLOMBO
·5 minuto de leitura

QUITO, EQUADOR (FOLHAPRESS) - O dia da eleição presidencial no Equador começou com longas filas nos principais centros urbanos e com demoras para a abertura de mesas no interior. Treze milhões de equatorianos são esperados neste domingo (7) nos centros de votação. Os principais candidatos na disputa são Andrés Arauz, apoiado pelo ex-presidente Rafael Correa, Guilhermo Lasso, de centro-direita, e o líder indígena Yaku Pérez. Embora as autoridades tenham orientado os eleitores a votar em horários separados —de manhã os que têm o documento de identidade com o final par, e de tarde os que têm em final ímpar—, para evitar aglomerações, nas primeiras horas deste domingo (7) isso não foi cumprido. “Não dá para pedir isso, nós sempre votamos juntos, depois almoçamos e temos cada um coisas a fazer. Aqui em Quito sempre se procura votar de manhã e junto, porque é preciso se locomover até o local de votação. Separar o voto de cada um atrapalha a família”, diz Nataly Junqueira, 29, em um centro de votação em Quito no subúrbio da cidade. Ela estava acompanhada do pai, que trabalha num mercado de comida, do marido, que é motorista de táxi e de uma cunhada. Junquera, é garçonete, mas está sem trabalho. Ela cuida dos dois filhos do casal. “Estamos muito preocupados com o impacto da pandemia na votação. Primeiro por conta dessas dificuldades de manter a distância social nas filas e as aglomerações. Depois, porque há candidatos jogando com o medo da contaminação, o que pode impactar no comparecimento às urnas. Por outro lado, as autoridades devem cumprir as medidas sanitárias para que ninguém se contagie”, contou à reportagem o norte-americano David Adler, observador pela organização Internacional Progressista. O Equador enfrenta um novo aumento de casos de coronavírus, que alguns epidemiologistas já identificam como uma segunda onda. No sábado (6), registrou-se um novo recorde de cifras de contagiados e mortos pelo país. Desta vez, o epicentro dos novos casos é a província de Pichincha, onde está localizada a capital do país, Quito. Segundo o Ministério da Saúde, houve mais 1.672 pessoas hospitalizadas no sábado, recorde neste ano. Nos últimos dias, o número de internados pela doença tem estado acima de mil, o que ameaça o sistema hospitalar do país. O Equador atingiu, neste fim de semana, a marca de 15 mil mortos, segundo cifras da Universidade Johns Hopkins. Os três principais candidatos deram declarações. O favorito, o esquerdista Andrés Arauz, que está registrado no México, portanto não pôde votar, acompanhou sua avó, Flor Galarza, 106, em Guayaquil. Pediu que as pessoas comparecessem a votar, e disse esperar ganhar já no primeiro turno. Depois, Arauz viajaria a Quito para acompanhar os resultados. O banqueiro Guillermo Lasso votou também em Guayaquil, numa escola no norte da cidade. “Haverá segundo turno e venceremos, porque as pessoas querem a mudança”. Lasso deu as declarações dizendo que era necessário que houvesse respeito às normas sanitárias. Fez isso, porém, cercado de jornalistas e apoiadores aglomerados ao redor dele. Lasso aguardará os resultados em Guayaquil. Já o líder indígena Yaku Pérez votou em Cuenca, e pediu que as pessoas façam do dia de hoje “uma festa democrática” e que votar por ele era “votar num cidaão como todos”. Pérez acompanhará o resultado em Cuenca, capital da província de Azuay, da qual foi governador. Há uma preocupação com a contagem dos votos, pois na última eleição presidencial houve um “apagão”, quando o sistema de contagem caiu, e gerou dúvidas sobre se todos os votos haviam sido contabilizados. Como a diferença entre o vencedor, o atual presidente, Lenín Moreno, e o segundo colocado, Guillermo Lasso, foi muito pequena, este saiu a protestar dizendo que houve fraudes. O voto não é eletrônico no país. “Seria importante que isso não ocorresse novamente, para não gerar manifestações, que serão negativas para a legitimação do resultado, e podem gerar aglomerações que aumentem o risco de contágios. Por enquanto, estamos reparando que há poucos fiscais dos partidos para acompanhar a contagem. E isso pode ser problemático”, afirma Adler. * A ELEIÇÃO NO EQUADOR - 260 observadores internacionais acompanham o pleito, além de 2.540 nacionais; - 13 milhões de equatorianos estão aptos a votar; - 2.036 zonas eleitorais estão instaladas no país, enquanto 101 estão no exterior. Quais cargos estão em jogo?  Presidente, membros da Assembleia Nacional e integrantes equatorianos do Parlamento andino, que reúne 25 representantes de Bolívia, Colômbia, Equador, Peru e Chile. Tem segundo turno?  Sim. Se nenhum candidato obtiver 50% dos votos válidos mais um, ou 40% com diferença de 10 pontos percentuais para o segundo colocado, haverá segundo turno, marcado para 11 de abril. O voto é obrigatório?  Sim para equatorianos com idade entre 18 e 65 anos, e há multa em caso de falta não justificada. Para aqueles com 16 e 17 ou mais de 65 anos, a participação no pleito é voluntária. Há votação antecipada?  Não, mas, neste ano, 653 equatorianos participaram do Voto em Casa, que permitiu a pessoas com mais de 50 anos e deficiência física que comprometa 75% ou mais de sua capacidade de locomoção a exercerem esse direito. O recolhimento desses votos foi realizado na sexta-feira (5), por Juntas Eleitorais. O voto é eletrônico?  Não, o voto é em papel, mas, neste ano, o Conselho Nacional Eleitoral realiza um teste com eleitores nos EUA, no Canadá e na Argentina para três formas de votação: telemático, em que se usa a internet para transmitir o voto, por meio de um sistema habilitado pelo CNE; eletrônico, mas, diferentemente do Brasil, a urna recebe a cédula, lê o voto e entrega um comprovante para então o eleitor confirmar se a escolha está correta; e por correspondência, com entrega antecipada das cédulas. Quais as medidas para prevenção do coronavírus?  O CNE dividiu a votação em faixas de horário de acordo com o último número da carteira de identidade. Quem tem o documento terminando em número par, deve ir votar entre 7h e 12h. Já para os de número ímpar, o horário é entre 12h e 17h. Há também medidas como ir sozinho ao local de votação, manter distanciamento e usar máscara, além da recomendação de levar caneta própria.