De voto impresso a afastamento no STF: manifestantes pró-Bolsonaro contam por que foram às ruas

·5 minuto de leitura
The British Broadcasting Corporation

Pessoas com os rostos pintados, usando perucas, segurando bandeiras e cartazes enquanto gritam palavras de ordem. Segundo estimativa da Secretaria da Segurança Pública de São Paulo, 125 mil pessoas participaram de uma manifestação a favor do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) na avenida Paulista na terça-feira, feriado da Independência do Brasil.

A reportagem da BBC News Brasil entrevistou manifestantes que foram à avenida Paulista, em São Paulo, para entender quais eram as pautas que os motivaram a sair às ruas para protestar.

Homem fardado fala
Vestindo farda semelhante à do Exército, Tino Ribeiro conta que é membro de um grupo de airsoft e defende o retorno do voto impresso

Além de defender a reeleição do presidente Jair Bolsonaro, a maior parte dos entrevistados pela reportagem disse que gostaria de uma destituição do Supremo Tribunal Federal (STF). Alguns defendiam apenas o impeachment do ministro do STF Alexandre de Moraes e outros sugeriram substituir a Suprema Corte por um tribunal militar.

Também houve quem defendesse a volta do voto impresso e uma minoria queria uma Ditadura Militar.

A BBC News Brasil reuniu abaixo algumas das principais reivindicações dos manifestantes.

Voto impresso e STF

Rita Pinto dá entrevista de máscara contra covid-19
Rita Pinto passou 12 horas dentro de um ônibus para chegar à manifestação na capital paulista

Um grupo ligado ao agronegócio saiu de Vacaria, no Rio Grande do Sul, em caravana até a avenida Paulista. Rita Pinto é uma das pessoas que disseram ter passado 12 horas dentro de um ônibus no trajeto até a capital paulista. Ela e os amigos defendem as mesmas pautas.

"Queremos a volta do voto impresso e o impeachment do SFT. Deixe o nosso presidente trabalhar. Queremos liberdade para o nosso país para que ele não vire uma Venezuela ou Cuba. A pauta de hoje é o voto impresso com contagem pública. O voto impresso auditável e o impeachment dos 11 do STF. E a liberdade de imprensa", afirmou à reportagem.

Homem com máscara verde-amarela contra covid
Umberto Sussela Filho: 'O Brasil vive uma ditadura do judiciário'

Umberto Sussela Filho quer uma reforma da Suprema Corte porque diz que o STF está tomando decisões além das previstas constitucionalmente.

"Ninguém quer extinguir o Supremo de um país, mas o nosso está fugindo de suas atribuições legais. O Supremo tem apenas que julgar os casos denunciados pela Procuradoria da União ou Ministério Público Federal. O nosso acusa, julga e condena, então ele não está obedecendo a Constituição Federal. O Brasil vive uma ditadura do Judiciário e isso não queremos nem para nós e nem para as futuras gerações", disse.

Contra Lula e a esquerda

Rodolfo, que preferiu omitir o sobrenome, disse que é contra o ministro Alexandre de Moraes, especificamente.

"Eu gostaria que ele tivesse vergonha na cara e parasse de fazer o que ele está fazendo. Não é um juiz qualificado, a gente sabe. Não passou em concurso. Sai do cargo. Gilmar Mendes soltando bandido. Todos eles estão trabalhando de certa forma para libertar toda essa gente. Está claro e notório que eles estão tentando fazer Lula candidato em 2022", afirmou.

Maiara Moura fala, com grande cartaz verde amarelo atrás
Maiara Moura: 'A minha escolha é Bolsonaro porque eu sou a favor da família'

A namorada dele, Maiara Moura, disse que também foi ao protesto para demonstrar sua insatisfação com governos de esquerda e um possível retorno de Lula.

"Numa disputa entre Lula e Bolsonaro, porque não tem terceira via, a minha escolha é Bolsonaro porque eu sou a favor da família, igreja, essas coisas. É meio óbvio Bolsonaro porque as pautas do PT já não combinam comigo, então não tem como eu votar no outro lado", afirmou.

Inflação e crise econômica

Luis Carlos de Oliveira fantasiado como Tio Sam, com cores do Brasil e dos EUA
Luis Carlos de Oliveira é apelidado de 'Tio Sam de Mauá'

Vestido como o personagem folclórico da cultura americana, Luis Carlos de Oliveira, o Tio Sam de Mauá, foi à Paulista apoiar Bolsonaro, mas também fez críticas ao governo, especialmente em relação à economia.

"Bolsonaro é o cara certo. Agora, o Paulo Guedes está ferrando o Brasil inteiro porque não é ele que está passando fome", afirmou.

Suelem Tavares deixou os cinco filhos em Itaquera, na zona leste de São Paulo, para vender bandeiras do Brasil no protesto na avenida Paulista. Ela defende que Bolsonaro termine o mandato, mas diz que a família dela foi gravemente afetada pela inflação.

"Na verdade, o que pega para mim são os preços abusivos. Isso o governo também tem que chegar junto, mas para mim o que está pesando é isso. E corrupção também. A gente tem que dar força para quem está lá (no governo). E quem está lá agora é o Bolsonaro, então a gente tem que dar força para ele. Reivindicar nossos direitos, mas ajudar ele", afirmou.

Ao ser questionada qual seria a atitude dela nas próximas eleições caso o preço de alguns alimentos, como a carne, não diminua, ela respondeu: "a gente muda o governo. Porque não dá para ter político de estimação, né?".

Liberdade e Supremo Tribunal Militar

Vestido com uma farda semelhante à do Exército, Tino Ribeiro conta que é membro de um grupo de airsoft e defende o retorno do voto impresso.

"Quero o voto auditável e o impeachment dos ministros do STF. Nós vamos tirar eles de lá, se Deus quiser, porque nós precisamos expressar nosso direito de falar nas redes sociais. E o que vemos hoje é uma pessoa ser condenada por falar de Deus", afirmou.

Rogério, que disse ser um policial militar da reserva, disse que o maior desejo dele é acabar com o STF nos moldes que existe hoje e implantar em seu lugar uma corte militar.

Rogério dá entrevista, com camisa estampando nome de Bolsonaro
Rogério conta ser um policial militar da reserva

"Então o que a gente vê como possibilidade inicial é o Supremo Tribunal Militar assumindo o STF, tirando os 11 ministros, como população, para que a gente possa reestabelecer a ordem e as coisas certas", disse.

Eduard Mandi gostaria de mudanças no Congresso e no STF, que, na visão dele, impedem que Bolsonaro governe de maneira plena. E defende que o atual presidente é o único preocupado com o país de maneira legítima.

"Tem gente que acha Bolsonaro ruim, mas pelo menos a gente tem um cara que está preocupado com a gente. Ele pode não ser o cara, mas para mim hoje é o único que eu tenho coragem de seguir porque eu só vejo o Senado trabalhando em vontade própria e a Câmara dos Deputados a mesma coisa. É uma vergonha isso".

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos