Voto útil é tornar seu amor inútil, diz Ciro em vídeo de campanha

Ciro investiu contra estratégia de Lula do voto útil, visando tirar eleitores dele e de Tebet para garantir vitória contra Bolsonaro ainda no 1º turno. (Foto: REUTERS/Pilar Olivares)
Ciro investiu contra estratégia de Lula do voto útil, visando tirar eleitores dele e de Tebet para garantir vitória contra Bolsonaro ainda no 1º turno. (Foto: REUTERS/Pilar Olivares)

Ciro Gomes, candidato à sucessão presidencial pelo PDT, publicou nesta terça-feira (12), nas redes sociais, um vídeo que crítica a estratégia do “voto útil”, adotada por adversários.

Na narrativa, uma voz feminina levanta a seguinte questão: “O que você diria a alguém que mandasse você mudar de time dizendo que ele pode não ser campeão?". Na sequência, Ciro afirma que, “para eles, voto útil é tornar o seu amor inútil”.

Confira:

A campanha de Ciro tem investido contra a narrativa. Em publicação nas redes sociais, o pedetista acusou Lula de estar “cada vez mais fraco” para derrotar Bolsonaro.

“No primeiro turno, vote 12! O voto triste no menos pior você pode dar no 2º turno! Mas com certeza - com seu voto verdadeiramente útil – estaremos lá!”, escreveu, apontando dados do levantamento do FSB/BTG que apontam a vitória dele contra Bolsonaro no segundo turno.

Veja as últimas pesquisas eleitorais para presidente:

A campanha do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) tem avançado na estratégia do “voto útil” contra o presidente Jair Bolsonaro (PL) para buscar vitória no primeiro turno, no dia 2 de outubro.

A ideia é buscar eleitores de Simone Tebet (MDB) e Ciro em favor do petista. Os dois estão, respectivamente, em quarto e terceiro lugar nas intenções de voto, segundo pesquisa Ipec divulgada nesta segunda (12).

Tebet aparece com 4% e Gomes com 7% das intenções. Enquanto Lula lidera a corrida, com 46%, e é seguido por Bolsonaro, com 31%.

A pesquisa ouviu 2.512 pessoas entre os dias 9 e 11 de setembro de 2022, em 158 municípios brasileiros. A margem de erro calculada é de dois pontos percentuais para mais ou para menos, considerando um nível de confiança de 95%. A pesquisa foi registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob o protocolo BR-01390/2022.