Votos brancos e nulos não podem ser transferidos entre candidatos

Mesários preparam urnas eletrônicas em São Paulo, em 6 de outubro de 2018 (Foto: Reuters / Paulo Whitaker)
Mesários preparam urnas eletrônicas em São Paulo, em 6 de outubro de 2018 (Foto: Reuters / Paulo Whitaker)
  • Um vídeo circula nas redes sociais com afirmações sobre votos nas urnas eletrônicas

  • Segundo o conteúdo, votos brancos e nulos podem ser manipulados e transferidos para candidatos

  • No entanto, a informação é falsa

Um vídeo com mais de 170 mil visualizações circula nas redes sociais com a afirmação de que as eleições podem ser fraudadas a partir da transferência de votos brancos e nulos para candidatos. Essa informação, contudo, é falsa e foi negada pelo TSE (Tribunal Superior Eleitoral).

Captura de tela de uma publicação em que se afirma que votos brancos e nulos podem ser transferidos para candidatos (Foto: Facebook / Reprodução)
Captura de tela de uma publicação em que se afirma que votos brancos e nulos podem ser transferidos para candidatos (Foto: Facebook / Reprodução)

Segundo o vídeo viral, "as urnas têm executáveis que diferenciam uma simulação de uma votação real. E que na simulação o executável se esconde e não faz absolutamente nada, mas numa votação real ele entra em serviço e tem a capacidade de tirar votos de um candidato para outro, aproveitar votos nulos e brancos como votos em um dos candidatos e simplesmente considerar como nulos alguns dos votos de um dos candidatos".

As alegações, contudo, não são verdadeiras, conforme explicado pelo TSE: "A alegação de que votos brancos e nulos poderiam supostamente ser contabilizados em favor de determinado candidato também é falsa".

Segundo uma publicação da corte, o único efeito de votos brancos e nulos é a possibilidade de diminuição da quantidade de votos necessária para que um candidato seja eleito. Além disso, a corte afirma que "há um senso comum de que os votos brancos vão para os partidos, porém isso também não é verdade".

Além disso, como explica a corte, as urnas eletrônicas são codificadas e dotadas de diversas camadas de segurança que "somente permitem sua abertura e leitura nos equipamentos da Justiça Eleitoral", o que impediria a manipulação dos votos.

Votos brancos e nulos

Conforme o artigo 77 da Constituição Federal, os votos brancos e nulos são tidos como inválidos: "será considerado eleito Presidente o candidato que, registrado por partido político, obtiver a maioria absoluta de votos, não computados os em branco e os nulos".

O TSE explica também que embora o voto seja obrigatório no Brasil, os eleitores são livres para não escolher os candidatos apresentados, podendo votar branco ou nulo. Tais votos, de acordo com a publicação, "são descartados e apenas servem para fins estatísticos".

Qual a data das Eleições 2022?

O primeiro turno das eleições será realizado no dia 2 de outubro, um domingo. Já o segundo turno – caso necessário – será disputado no dia 30 de outubro, também um domingo.

Veja a ordem de escolha na urna eletrônica nas Eleições 2022

  1. Deputado federal (quatro dígitos)

  2. Deputado estadual (cinco dígitos)

  3. Senador (três dígitos)

  4. Governador (dois dígitos)

  5. Presidente da República (dois dígitos)

Esta peça desinformativa também foi analisada pelo Fato ou Fake.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos