Manu d'Ávila: 'O que vemos no Rio é um político que usa morte de crianças como palanque'

Candidata à vice-presidência em 2018 pelo PC do B na chapa de Fernando Haddad (PT), Manuela d’Ávila foi a convidada do Vozes da Nova Política, programa do Yahoo Notícias que traz políticos com menos de 40 anos em iminência no cenário nacional.

Em conversa de meia hora com os jornalistas Matheus Pichonelli, Giorgia Cavicchioli e Grasielle Castro (HuffPost Brasil), Manuela falou sobre seu futuro na política e comentou também a situação atual do país.

Candidata à vice-presidência em 2018 pelo PC do B na chapa de Fernando Haddad (PT), Manuela d’Ávila foi a convidada do Vozes da Nova Política (Reprodução/Yahoo Brasil)

Assista outros episódios do Vozes da Nova Política:

A ex-deputada falou desde sua relação com a política desde muito jovem até sobre as fake news das quais foi vítima. Segundo ela, a ida às ruas de mentiras criadas nas redes não é coisa nova — Manu contou, por exemplo, que foi agredida com a filha recém-nascida por conta de uma notícia falsa.

Muito crítica ao governo Bolsonaro, ela afirmou que o governo mostra “não ter moral alguma” quando, mesmo após os vazamentos da Vaza Jato, o ministro Sergio Moro (Justiça) é um “guarida moral do governo”.

“Se depois de tudo isso (divulgação das mensagens) o Moro é a guarida moral do governo só comprova que é um governo sem moral nenhuma”, afirma ela.

Oposição ao presidente Jair Bolsonaro (PSL), Manuela fez duras críticas ao seu adversário em 2018. Segundo ela, Bolsonaro é alguém que foca apenas nas coisas que agradam sua base de apoio.

“Não trata de emprego, não trata de crise, não trata de economia. Nunca fala dos assuntos centrais do nosso povo. Mas tem tempo para falar do Glenn tem tempo, para falar das ONG que colocaram fogo tem tempo, para comemorar a chacina de Altamira (PA) tem tempo. Mas para falar da morte da menina Ágatha não tem tempo”, criticou a ex-deputada.