VW deverá pagar USS 15 bilhões por caso de motores adulterados

(Arquivo) Logo da Volkswagen, em Gaithersburg, Maryland, no dia 24 de maio de 2016
(Arquivo) Logo da Volkswagen, em Gaithersburg, Maryland, no dia 24 de maio de 2016

As autoridades alemãs encarregadas de investigar o escândalo de falsificação nos testes de emissão de poluentes da Volkswagen abriram uma investigação sobre um funcionário da montadora suspeito de ter destruído provas da fraude, apurou a AFP na quinta-feira.

Para dar fim aos processos civis que enfrenta por conta do escândalo dos motores a diesel adulterados, a Volkswagen terá que desembolsar US$ 15 bilhões, informou a Bloomberg News nesta segunda-feira.

Na semana passada, uma fonte ligada ao caso judicial disse à AFP que na próxima terça-feira o grupo apresentará à Justiça uma proposta de US$ 10,3 bilhões de dólares em indenizações e no financiamento de um fundo ambiental.

Segundo a agência Bloomberg, o acordo também inclui o pagamento de uma multa de 2,7 bilhões de dólares às autoridades americanas de proteção do meio ambiente e 2 bilhões de dólares para financiar o desenvolvimento de tecnologias de emissões limpas.

O grupo desembolsaria outros 400 milhões de dólares a vários estados dos Estados Unidos, de acordo com a Bloomberg.

A apresentação desse plano da empresa à justiça deve pôr fim a um longo e complicado processo de negociação entre a multinacional alemã e as autoridades americanas, mas não acabará totalmente com as causas judiciais em que a Volkswagen está envolvida.

O grupo, que também é dono das marcas Audi, Porsche e Seat, enfrenta uma investigação penal do Departamento de Justiça e várias ações coletivas.

A Volkswagen admitiu ter instalado um software para alterar os dados das emissões em 11 milhões de motores a diesel no mundo.