Waldery Rodrigues diz que pediu para deixar secretaria em dezembro: "não foi uma demissão"

Fernanda Trisotto
·1 minuto de leitura

BRASÍLIA – O secretário especial de Fazenda, Waldery Rodrigues, aproveitou a participação na sessão da Comissão Temporária da Covid-19 do Senado, nesta segunda-feira, para falar sobre sua saída do cargo. Ele afirmou que desde dezembro de 2020 já mantinha conversas com o ministro Paulo Guedes sobre a possibilidade de deixar a função por questões pessoais e ressaltou que não foi demitido.

— Eu conversei com o ministro Paulo Guedes em dezembro do ano passado, com uma questão extremamente pessoal haveria uma possibilidade de eu sair da Secretaria Especial de Fazenda. Foi um pedido pessoal – declarou o secretário ao final de sua apresentação sobre gastos públicos durante a pandemia.

De acordo com Waldery, desde então a equipe da Economia vinha fazendo reuniões internas para tratar do remanejamento – palavra que frisou bastante ao longo da explicação sobre sua saída da pasta. Ele será substituído por Bruno Funchal, que estava comandando o Tesouro Nacional.

— Na terça-feira (dia 27 de abril) eu fui surpreendido por um vazamento, possivelmente mal endereçado, de que “o ministro Paulo Guedes demite o secretário especial de Fazenda, Waldery Rodrigues Junior”. De fato, não foi uma demissão, não existe isso – afirmou, em tom magoado.

Essa participação na comissão no Senado deve ser último compromisso oficial de Waldery como secretário. Ele foi convidado para seguir na equipe econômica como assessor especial.

— É uma honra muito grande receber esse convite. Eu estou conversando com com o ministro Paulo Guedes, tenho a minha questão pessoal desde dezembro. Mas é importantíssimo que a gente tenha aqui sempre a mesma diretriz. Nós somos combatentes da política fiscal responsável – declarou.