'Washington e Pequim estão em corrida por Lua e Marte'

Carlos Briones
Carlos Briones participará en el Hay Festival de Querétaro.

Poucas pessoas estão tão preparadas para responder o que é a vida e onde podemos encontrá-la como Carlos Briones.

Cientista, divulgador e poeta, o astrobiólogo espanhol passou anos se perguntando sobre as grandes questões a respeito da origem da vida na Terra e da existência de outras formas de vida no Universo.

E como ele diz em sua conta no Twitter, "Ciência para entender o mundo, poesia para nomeá-lo. E, sempre, dúvida", ele tem interesse e paixão por fazê-lo através da "terceira cultura", a conexão entre Ciência, Humanidades e as Artes.

Com sua equipe, ele faz pesquisas sobre as primeiras moléculas biológicas capazes de transmitir informações genéticas e desenvolve biossensores com a função de detectar moléculas relacionadas à presença de vida, onde quer que ela esteja.

Briones — que trabalha no Laboratório de Evolução Molecular do Centro de Astrobiologia (CSIC-INTA) na Espanha associado ao Instituto de Astrobiologia da Nasa, a agência especial americana — participa esta semana do Hay Festival em Querétaro, no México, onde falará sobre seu livro mais recente: Estamos sozinhos?: Em busca de outra vida no cosmos.

Ele concedeu a seguinte entrevista à BBC News Mundo, o serviço de notícias em espanhol da BBC.

BBC News Mundo - O senhor disse que, se existisse vida inteligente extraterrestre, não estaria no Sistema Solar. Por quê?

Carlos Briones - Porque todos os planetas e os principais satélites do Sistema Solar já foram visitados. E encontramos mundos com geologia e química fascinante, mas nenhum deles mostrou qualquer evidência de estrutura, sinais ou qualquer coisa que nos diga que pode haver vida inteligente dentro do Sistema Solar.

Se existe vida inteligente fora do nosso planeta, devemos supor que estaria em planetas extra-solares, ou seja, fora de nossa vizinhança cósmica. Hoje sabemos, por exemplo, que existem mais de 5 mil planetas extra-solares, mas assumimos que deve haver um número como 1 seguido de 23 zeros.

Ilustración de la nebulosa gigante NGC 2014 y su vecina NGC 2020. Forman parte de la Gran Nube de Magallanes, una galaxia satélite de la Vía Láctea.
Nebulosas en la Gran Nube de Magallanes, una galaxia satélite de la Vía Láctea.

BBC News Mundo - Esse número é tão grande que, se houver vida inteligente em outros planetas, como poderíamos detectá-la?

Briones - Podíamos detectá-la por sinais de rádio. Se houver vidas inteligentes, talvez elas tenham tido uma evolução cultural semelhante à nossa e poderão enviar ou receber ondas de rádio, ou seja, poderão nos enviar mensagens e receber nossas mensagens.

BBC News Mundo - Mas, se eles evoluíssem de forma diferente de nós, eles não teriam necessariamente que ser capazes de se comunicar via ondas de rádio...

Briones - Se eles não desenvolveram ondas de rádio, considerando a distância que estão, é impossível para nós nos comunicarmos com eles, mesmo que o Universo esteja repleto de vida. Isso soa um pouco decepcionante, certo?

Pode ser que, ao redor de algumas estrelas — como aquelas que vemos quando olhamos a noite estrelada —, existam planetas e que, nesses planetas, haja vida, mas que não sejamos capazes de detectá-la.

Isso também significa que não poderíamos ter sido detectados por ninguém antes do início do século 20, quando o rádio foi desenvolvido. E repare que éramos inteligentes no Renascimento ou na Grécia clássica, mas não tínhamos desenvolvido a tecnologia para sermos detectados.

BBC News Mundo - Por que tem que ser ondas de rádio? Não existem outras maneiras de se comunicar com a vida inteligente?

Briones - Porque, por estarem tão distantes, não podemos ver estruturas construídas por seres inteligentes. Não há telescópio e nunca haverá telescópio com resolução suficiente para ver essas estruturas. Fora do Sistema Solar, o planeta mais próximo conhecido, Proxima b, está a 4,2 anos-luz da Terra.

Fora da nossa galáxia, o exoplaneta Proxima b é o mais próximo da Terra
Fora da nossa galáxia, o exoplaneta Proxima b é o mais próximo da Terra

BBC News Mundo - Então, como descobrimos que ele existe?

Briones - A radiação chega até nós, chegam até nós ondas que podem ser luz no espectro visível ou outras ondas no espectro da radiação eletromagnética.

BBC News Mundo - Em meados da década de 1970, os cientistas pensaram ter encontrado um sinal de vida inteligente, mas essa esperança logo foi frustrada...

Briones - Sim, um sinal chamado WOW foi encontrado, que é o que o observador americano Jerry Ehman observou quando o detectou. Achei que havia alguma implicação de seres inteligentes nesse sinal. Mas então descobriu-se que era provavelmente o reflexo em um pedaço de lixo espacial.

Então, até agora, estamos enviando e tentando receber sinais de rádio, mas não tivemos nenhuma boa notícia nesse sentido. Até agora, estamos sozinhos no Universo.

BBC News Mundo - O quão longe chegamos no espaço?

Briones - Com instrumentos construídos por humanos, as sondas Voyager 1 e Voyager 2 são as que foram mais longe entre as que já deixaram o Sistema Solar. Estão viajando pelo espaço fora deste ambiente planetário e fizeram um excelente trabalho.

O que podemos ver? Com o telescópio James Webb podemos ver a luz emitida pelas primeiras galáxias que se formaram, muito perto da origem do Universo, há cerca de 13 bilhões de anos.

E o mais longe que nós humanos fomos capazes de ir fisicamente é a Lua e retornaremos a ela em breve com o programa Artemis da Nasa. Talvez em um ano ou mais.

Restos da Nebulosa do Véu que explodiu cerca de 8 mil anos atrás
Restos da Nebulosa do Véu que explodiu cerca de 8 mil anos atrás

BBC News Mundo - E até onde chegamos na pesquisa sobre a origem da vida, que é fundamental para encontrar vida em outros planetas?

Briones - O que estava na origem do nosso planeta foi a geologia e a química. Havia moléculas cada vez mais complexas que formavam sistemas capazes de auto-reprodução e evolução, ou seja, seres vivos.

BBC News Mundo - Se os humanos evoluíram de moléculas que conseguiram se reproduzir, quando isso aconteceu?

Briones - Não podemos saber exatamente quando aconteceu, mas supomos que, se nosso planeta tem cerca de 4,5 bilhões de anos, a vida surgiu cerca de 700 milhões de anos depois, ou seja, cerca de 3,8 bilhões de anos atrás.

Falamos da vida entendida como um sistema de moléculas capaz de se copiar e reproduzir. Isso estaria nas raízes do tronco comum que todos os seres vivos possuem, que está na metáfora da árvore da vida. Nessa árvore, temos um tronco de onde saem primeiro dois ramos, depois três, depois muitos. Consideramos que podem existir cerca de 600 milhões de ramos, ou seja, espécies.

BBC News Mundo - É daí que vem a ideia do Luca, o ancestral universal de todos os seres vivos do nosso planeta...

Briones - Após uma série de processos moleculares, chegamos ao Luca, que está no topo da árvore. Assumimos que Luca era uma célula semelhante à nossa, e, a partir daí, ocorre a diversificação da vida e das espécies.

BBC News Mundo - Como esse sistema de moléculas é capaz de auto-reprodução, como ele se parece?

Briones - Imagine uma bolha com uma membrana de moléculas semelhantes a óleo que são capazes de transportar informações genéticas e realizar um metabolismo. Seriam seres muito mais simples que uma bactéria, mas com a característica fundamental de fazer cópias de si mesmos e evoluir.

A Terra vista do espaço
A Terra vista do espaço

BBC News Mundo - Essa questão de se perguntar sobre a origem da vida e se existe vida extraterrestre, para que realmente serve se as chances de encontrá-la são mínimas, ou seja, por que gastar tanto tempo e recursos nisso?

Briones - Acredito que a utilidade desse tipo de grandes questões é nos levar aos limites do que nós humanos podemos nos perguntar, é nos levar ao limite do conhecimento. Fazer a nós mesmos as grandes perguntas nos ajuda a desenvolver nosso cérebro e a ser mais humanos, o que não é pouca coisa. Ao longo do caminho, cada vez que investigamos essas questões, são geradas tecnologias que depois são muito úteis.

BBC News Mundo - Como quais?

Briones - Por exemplo, novos materiais. A exploração espacial tem sido a grande força motriz por trás da busca por materiais mais fortes e leves. Eles podem ser aplicados, por exemplo, em aviões ou novos sistemas de comunicação que são posteriormente aplicados em tecnologias como telefones. Ou em sistemas de suporte de vida para astronautas, que são levados para hospitais e nos permitem estar vivos em uma Unidade de Terapia Intensiva. Ou no desenvolvimento de drogas. A exploração espacial tem impacto direto no bem-estar da população.

BBC News Mundo - Como a exploração é muito cara e os recursos são escassos, quando se trata de escolher onde concentrar esforços para encontrar vida extraterrestre, para onde eles vão? Onde é mais provável encontrar algum tipo de vida fora da Terra?

Briones - Em termos de vida próxima, ou seja, no Sistema Solar, os melhores candidatos são Marte e um satélite de Júpiter chamado Europa, que possui uma crosta de gelo de 20 quilômetros com muitas rachaduras, mas abaixo dela há 100 quilômetros de água líquida. É um grande oceano, e, nessas águas, podem existir seres vivos.

O que procuramos são lugares onde possa haver água, fonte de matéria orgânica, ou seja, moléculas com carbono e energia. Quando você tem esses três componentes, assumimos que estão reunidas as condições para que haja vida.

BBC News Mundo - E o que encontramos até agora em Marte?

Briones - Marte tem muita água congelada, água com muito sal que forma uma espécie de lama muito líquida, uma espécie de lago denso 1,5 mil metros abaixo da superfície. Diferentes tipos de moléculas foram detectados, mas ainda não há nada que nos permita dizer que a vida se originou ali.

BBC News Mundo - Quando os humanos poderão pisar em Marte pela primeira vez?

Briones - Faltam mais ou menos 20 anos, mas as coisas podem ir mais rápido, porque houve iniciativas privadas, como a Space X, que revolucionaram um pouco todo esse campo. Talvez, em vez de 20 anos, restem apenas 15 anos para chegar a Marte. Há grandes esperanças de colocar uma pegada humana em Marte, como foi feito em 1969 com a Lua.

O Curiosity da Nasa tirou esta selfie em Marte
O Curiosity da Nasa tirou esta selfie em Marte

BBC News Mundo - E por que não voltamos à Lua?

Briones - O programa da Nasa foi interrompido porque estava sendo extraordinariamente caro, e o que se queria já havia sido feito, e porque a geopolítica é essencial. Os Estados Unidos já haviam mostrado sua liderança, e, naquela época, não havia muito mais para investigar ali. Mas isso vai mudar. Talvez o primeiro voo humano seja em um ano ou mais. As datas estão mudando constantemente, mas estamos perto de retornar à Lua.

BBC News Mundo - E quão avançado é o programa de exploração espacial da China? Recentemente vimos acusações cruzadas entre americanos e chineses sobre querer "se apoderar da Lua".

Briones - Sim, assim como havia tensão entre os Estados Unidos e a União Soviética, agora é claramente entre os Estados Unidos e a China. A China tem um programa espacial muito ambicioso, eles estão fazendo as coisas muito rápido e muito bem. Eles foram muito bem sucedidos em explorar a Lua.

Eles também conseguiram chegar a Marte no ano passado com um orbitador, um lander fixo, do qual desceu um veículo com rodas, e tudo isso na mesma espaçonave. É algo que a Nasa não havia conseguido, e a China fez isso em sua primeira tentativa, o que significa que eles são muito bons em exploração espacial, em tecnologia de foguetes e, portanto, são e serão um importante concorrente dos Estados Unidos.

Por outro lado, na China, eles usam o aparato de propaganda que usa esse tipo de sucesso para silenciar outras questões em relação aos direitos humanos e ao nível de democracia. Portanto, há agora uma competição aberta entre Washington e Pequim pela Lua. E outra corrida para Marte. Veremos quem ganha.

Os cientistas estão mais interessados ​​nos avanços que podem ser alcançados do que em quem é o primeiro a levantar sua bandeirinha. Isso é algo muito mais dos políticos.

- Este texto foi publicado originalmente em https://www.bbc.com/portuguese/geral-62719291

Sabia que a BBC está também no Telegram? Inscreva-se no canal.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!