Washington Reis, prefeito de Caxias, falta a debate e é bombardeado por candidatos

Cíntia Cruz e Gleriston Barbosa
·3 minuto de leitura
O deputado estadual Marcelo Dino disse que vai auditar as contas de Caxias
O deputado estadual Marcelo Dino disse que vai auditar as contas de Caxias

Alegando duplicidade de compromissos na agenda, o prefeito de Duque de Caxias, Washington Reis (MDB), não compareceu ao debate promovido, na noite desta segunda-feira, pelo Estúdio B Central de Entrevistas. Com a ausência, seus oponentes Andreia Zito (Progressista), Dica (PL) e Marcelo Dino (PSL) fizeram críticas à atual gestão do município e ao prefeito. Os candidatos não deixaram escapar o fato de Reis ter se internado no Hospital Pró-Cardíaco, em Botafogo, na Zona Sul do Rio, para se tratar da Covid-19, em abril.

Dica foi o candidato mais ferrenho na avaliação da administração de Reis no debate de ontem, mediado pelo jornalista Marlon Brum. Ao falar sobre Educação, destacou o atraso no salários dos profissionais da área. Ele também criticou a relação entre o prefeito e o governo do estado, principalmente na cessão da gestão do Hospital estadual Adão Pereira Nunes, o Hospital de Saracuruna, que segue sob administração municipal desde julho.

— Temos que dar os pêsames ao município. Caxias é o 86º no estado e o 1186º no país na parte educacional. Não tem salários em dia pagos aos professores. Os ativos estão há dois meses sem receber. Pensionistas e aposentados há três meses. Vamos entregar ao governo incompetente do estado o (Hospital de) Saracuruna. Esse hospital não é nosso. Vamos utilizar verba para nossa população. Se a saúde tivesse boa quando ele pegou Covid, ele não seria atendido em Botafogo — detonou Dica.

Sem Reis, o debate seguiu com um clima amistoso entre os três candidatos. Em alguns momentos, as propostas chegavam a ser parecidas, como Marcelo Dino e Andreia, que sugeriram escolas em tempo integral. Na Saúde, Andreia contestou a propaganda feita pelo governo na área:

— Existe uma propaganda enorme, como se a saúde fosse a melhor do Brasil. Se visitarmos hospitais, Cras de Saracuruna, saberemos que os funcionários não estão satisfeitos e a estrutura é pífia. Vai fazer parte do meu mandato reabrir postos de saúde que pararam de atender 24 horas.

Em relação à segurança pública, Dino disse que pretende abrir concurso para a Guarda Municipal, armar os agentes e fazer uma auditoria:

— Vou chamar o MP (Ministério Público) e o Tribunal de Contas e auditar todas as contas de Caxias. O problema da política é a corrupção. O mais difícil de conseguir em Caxias são informações. O portal da transparência não existe.

A obra do novo Viaduto de Gramacho, inaugurada no dia 7 de agosto deste ano, também sofreu forte críticas dos candidatos no debate de ontem. No mês passado, o EXTRA mostrou a insatisfação dos moradores do entorno da via, que já tem um alto número de acidentes. As batidas têm acontecido na curva de descida do viaduto, que dá acesso às ruas Teixeiras Mendes e Herman Lundgren.

— Aquele viaduto é brincadeira! A gente sabe que houve um gasto muito grande. Uma obra totalmente mal planejada, isso se teve algum planejamento. Uma obra faraônica que só veio prejudicar a população. É um lugar perigoso e uma estrutura absurda, com apenas uma mão indo e uma mão voltando. O planejamento foi ridículo. Nós não temos passagem de pedestre e nem ciclovia — afirmou Andreia Zito.

Já Dica foi irônico e disse que Reis deve ter sido “o engenheiro da obra” do viaduto:

— Esse viaduto liga nada a lugar nenhum. O prefeito deve ter sido o engenheiro da obra. Aquilo foi a pior obra que já existiu na nossa cidade.