Wassef deixa defesa de Flávio Bolsonaro em inquérito que apura suspeita de rachadinha

Por Rodrigo Viga Gaier
·2 minuto de leitura
Advogado Frederick Wassef no Palácio do Planalto

Por Rodrigo Viga Gaier

RIO DE JANEIRO (Reuters) - O advogado Frederick Wassef deixou a defesa do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) no inquérito do Ministério Público do Rio de Janeiro que apura suspeita de que o senador se apropriou e desviou salários de funcionários de seu gabinete quando era deputado estadual no Estado, num esquema conhecido como "rachadinha", informou o parlamentar em publicação em sua conta no Twitter no domingo.

Wassef deixou a defesa de Flávio Bolsonaro, filho do presidente Jair Bolsonaro, depois de, na semana passada, Fabrício Queiroz, ex-assessor parlamentar do senador, ser preso em um imóvel que pertence ao advogado em Atibaia, interior de São Paulo.

Wassef já representou o presidente da República, é próximo da família Bolsonaro e era visto com frequência no Palácio do Planalto, em Brasília.

"A lealdade e a competência do advogado Frederick Wassef são ímpares e insubstituíveis. Contudo, por decisão dele e contra a minha vontade, acreditando que está sendo usado para prejudicar a mim e ao presidente Bolsonaro, deixa a causa mesmo ciente de que nada fez de errado", escreveu Flávio Bolsonaro em sua conta no Twitter no domingo.

Durante o fim de semana , tanto Flávio, que nega irregularidades e afirma que é alvo de uma perseguição que visa atingir seu pai, quanto o próprio Bolsonaro postaram mensagens nas redes sociais afirmando que a verdade será estabelecida.

No Rio, Flávio Bolsonaro é investigado, além do inquérito sobre suspeita de "rachadinha" na Assembleia Legislativa do Estado, também na Justiça Eleitoral por suspeitas de falsidade ideológica e lavagem de dinheiro, que envolvem a declaração de bens de do senador nas eleições de 2014, 2016 e 2018.

Em nota nesta segunda, a assessoria de imprensa de Flávio Bolsonaro disse que o advogado Rodrigo Roca assumirá a defesa do parlamentar no inquérito que apura a "rachadinha". Já nos processos que tramitam na Justiça Eleitoral, o senador seguirá sendo representado pela advogada Luciana Pires.