WeChat exclui contas LGBT de universidades chinesas

·1 minuto de leitura
Logo do WeChat

Por Pak Yiu

HONG KONG (Reuters) - A plataforma de mídia social WeChat, da gigante chinesa de tecnologia Tencent, excluiu dezenas de contas LGBT administradas por estudantes universitários, dizendo que algumas violaram as regras de informação na internet, o que gerou temor de repressão ao conteúdo gay online.

Membros de vários grupos LGBT disseram à Reuters que o acesso às suas contas foi bloqueado na noite de terça-feira e que mais tarde descobriram que todo o seu conteúdo foi excluído.

"Muitos de nós sofremos ao mesmo tempo", disse o gerente de contas de um grupo que não quis ser identificado. "Eles nos censuraram sem qualquer aviso. Todos nós fomos dizimados."

As tentativas da Reuters de acessar algumas contas foram recebidas com um aviso do WeChat dizendo que os grupos "haviam violado os regulamentos sobre a gestão de contas que oferecem serviço de informação pública na internet chinesa".

Outras contas não apareceram nos resultados da pesquisa.

O WeChat não respondeu imediatamente às perguntas enviadas por e-mail.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos