Wellington Dias confirma fórmula de reajuste do mínimo de acordo com inflação e variação do PIB

Senador eleito e um dos coordenadores da campanha de Luiz Inácio Lula da Silva, Wellington Dias (PT-PI) confirmou nesta quarta-feira o modelo que será adotado pelo governo petista para reajuste do salário mínimo. Como antecipado pelo GLOBO, a fórmula considera a média de crescimento do PIB (Produto Interno Bruto) dos cinco anos anteriores ao aumento, além da inflação do ano anterior.

Aperto monetário: Fed anuncia alta de 0,75 ponto percentual na taxa de juros pela 4ª vez seguida para combater inflação

Próximo mandato: Lula busca técnicos de ‘grife’ para o Ministério da Fazenda

Em entrevista à GloboNews, Dias afirmou que, no primeiro ano de governo, o "reajuste real" deve ficar no patamar de 1,4%.

Após o resultado das eleições, Wellington Dias foi escalado por Lula para negociar a votação, no Congresso, de propostas que garantam o pagamento de R$ 600 do Auxílio Brasil em 2023.

— O objetivo é garantir continuidade para o Auxílio Brasil. Então, os R$ 600 segue em condições de pagamento a partir de primeiro de janeiro. Não haverá descontinuidade. O que precisa? Uma PEC (Proposta de Emenda à Constituição), a necessidade de constar do Orçamento? É isso que nós vamos garantir. Garantir (também) o reajuste do salário mínimo, que já tem uma previsibilidade pela inflação, mas o compromisso, já no primeiro ano, de implementar a regra da média do PIB dos últimos cinco anos. Como houve queda, vai ficar na média de 1,4% de reajuste real neste primeiro ano — disse Dias.