Whindersson Nunes fala do amor por cães: 'Acho que é uma terapia'

Luana Santiago

Quem acompanha as redes sociais de Whindersson Nunes certamente já viu cliques adoráveis de suas três cachorrinhas, Amora, Regina e Gisele. Segundo o humorista, ficar ao lado dos animais de estimação é ''terapêutico'':

— Acho que é uma terapia. É tão amorzinho, sabe? Gosto muito delas e de observar como uma é diferente da outra. É legal observar como o cachorro não é cachorro.

Nos momentos que está em casa, o rapaz, de 24 anos, conta como se dedica a cada uma delas.

— Tem uma que só quer colo, outra só quer ficar sentada... Cada uma tem seu temperamento. A menorzinha, a Gisele, é a mais manhosa de todas. Para comer, tem que falar ''vem cá, meu amor'' e pegar no braço. Já a outra precisa ter ciúmes da comida para comer, enquanto a Regina, que é sem raça definida, é a mais tranquila — descreve ele.

O comediante, aliás, chegou a cogitar adotar mais um cachorrinho, porém desistiu da ideia após uma experiência negativa com um animalzinho adotado pelo sogro, pai da cantora Luísa Sonza:

— Meu sogro adotou um cachorro numa feirinha de rua em São Paulo e, como não tinha os documentos para andar de avião com ele, o deixou lá em casa. Olha, esse quarto cachorro... Foi pra acabar com tudo. Começou a bater nas outras cachorras, influenciou elas a terem um comportamento atípico... Foi aí que percebemos como seria complicado ter mais um dentro de casa — relembra.