William e Harry: juntos no funeral da rainha, mas ainda afastados

Os príncipes britânicos William e Harry caminharam juntos atrás do caixão da rainha Elizabeth II nesta segunda-feira (19), assim como fizeram há 25 anos com sua mãe, a princesa Diana, mas sem mostrar sinais de reconciliação.

Com um livro de memórias de Harry,  com previsão de lançamento para o ano que vem, e discussões nos bastidores sobre uniformes militares e títulos para seus filhos, eles e suas esposas, Catherine e Meghan, pareciam mais distantes do que nunca.

Os irmãos cumpriram  seu dever, caminhando lado a lado atrás de seu pai, o rei Charles III, e de outros membros importantes da família real, enquanto o caixão de sua avó era levado para seu funeral na Abadia de Westminster.

William, herdeiro do trono de seu pai, vestia um uniforme militar. Harry, que está proibido de fazê-lo desde que abandonou sua vida como membro da realeza em 2020, vestia um terno no qual usava suas medalhas.

Na semana passada, Wiliam confessou ao público que o funeral de sua avó trouxe de volta lembranças dolorosas do cortejo fúnebre de sua mãe, em 1997, quando ele tinha 15 anos e seu irmão apenas 12.

Mas se essa dolorosa experiência compartilhada estava em suas mentes, eles não demonstraram nenhum reconhecimento externo.

Na entrada da abadia, os irmãos estavam acompanhados de suas esposas e dos dois filhos mais velhos de William e Catherine, o príncipe George, de nove anos, e a princesa Charlotte, de sete, que são segundo e terceiro, respectivamente, na linha de sucessão ao avô.

- Uniforme vetado -

Os quatro, que eram vistos como o futuro da monarquia até o afastamento, não fizeram contato visual enquanto caminhavam nos corredores da Igreja e sentaram separados.

William e sua família sentaram-se no banco da frente com seu pai e seus irmãos Anne, Andrew e Edward. Harry e Meghan, oficialmente duque e duquesa de Sussex, se sentaram na segunda fila, diretamente atrás do rei e da rainha consorte com sua prima princesa Beatrice.

Houve especulações de que Harry poderia usar seu uniforme no funeral depois que apareceu vestido com o uniforme do regimento de cavalaria Blues and Royals, em uma vigília ao lado do caixão da rainha no sábado à noite. Mas esse parece ter sido um último gesto do rei para seu filho.

Harry serviu duas vezes com o exército britânico no Afeganistão, mas os rígidos protocolos reservam roupas militares para membros ativos e plenos da família real para ocasiões como funerais de Estado.

Em entrevista à apresentadora americana Oprah Winfrey, Meghan disse que um membro não identificado da Casa Real expressou preocupação com qual seria a cor da pele de seu filho.

Ela também acusou Catherine de fazê-la chorar, e os assessores do palácio de não querer ajudá-la quando teve pensamentos suicidas.

har/phz/al/mb/ap