Wired Festival Brasil 2022 terá mesas, aulas e experiências no Planetário

“O futuro já chegou, só não está uniformemente distribuído”, repete há décadas o autor de ficção científica William Gibson, criador do termo “ciberespaço”. Numa época em que as fronteiras entre real e virtual estão sendo velozmente derrubadas, a nova edição do Wired Festival Brasil, que acontece presencialmente e on-line entre 17 e 20 de novembro, foi pensada para diminuir essa diferença e tornar o futuro mais acessível a todos.

Com o tema “Embarque imediato no metaverso”, o evento terá mesas, aulas e experiências para dar conta de tecnologias que já estão em nosso dia a dia, como web 3.0, blockchain e NFT, mesmo que ainda não estejam popularizadas.

— Metaverso, NFT, blockchain e web 3.0 viraram termos recorrentes, mas ainda não são conceitos claros para todos. Por outro lado, esses novos espaços, ferramentas e tecnologias já impactam concretamente nossas vidas. E tem muita gente fazendo coisas sensacionais por aí — conta Paula Mageste, CEO da Edições Globo Condé Nast (EGCN), que detém os direitos da marca Wired no Brasil.

No dia 17, o festival é no Planetário da Gávea, com sequência de talks e oficinas sobre os universos convergentes de tecnologia, cultura e inovação. Dos dias 18 a 20, a programação migra para o universo digital, com painéis e exposições em cenários virtuais e mundos imersivos criados em parceria com a Brazil Immersive Fashion Week (BRIFW).

— Nesta edição, teremos uma experiência compartilhada com a BRIFW, semana de moda imersiva, realizada presencialmente no State, em São Paulo, e também no NOWHERE. Nos nossos talks imersos, o público poderá interagir com os convidados das mesas no Planetário, no State ou no metaverso — explica Paula Mageste.

A Wired é uma das mais importantes revistas de inovação e tecnologia do mundo. Os festivais promovidos pela publicação procuram sempre trazer discussões contemporâneas em áreas que muitas vezes se justapõem, como comportamento, economia, ciência, urbanismo e cultura.

— A Wired tem feito há anos eventos que aprofundam as conversas tratadas no evento com experiências — contextualiza Daniel Bergamasco, editor da revista GQ Brasil e coordenador do evento. — As conversas ajudam a entender o que está rolando entre artistas, empreendedores e ativistas de causas sociais, como eles se apropriam dessas ferramentas e usam os recursos disponíveis para amplificar suas mensagens.

Entre os convidados do festival estão, por exemplo, Newton Fleury Filho, criador do fantasy game de futebol Cartola FC, que contará como fan tokens têm mudado o lastro cultural ligado aos esportes; Thamyra Thâmara, fundadora da produtora GatoMídia, e Raull Santiago, CEO da Agência Brecha, Hub de inteligência favelada, que falarão sobre como usam realidade virtual, drones e câmeras 360° para contar suas histórias no Complexo do Alemão; e Dandara Mariana, atriz de “Travessia”, que mostrará como o metaverso vai virar um episódio da novela.

— A ideia é que seja tudo muito tangível. Falamos de futuro, mas através de tecnologias que já estão presentes tanto no Alemão como na novela — diz Bergamasco.

— Esta edição do Wired pretende aproximar a gente da web 3.0 com informações e experiências. Queremos também ajudar a dar visibilidade aos trabalhos de uma geração de talentos de várias áreas e comunidades — diz Paula Mageste.

O Wired Festival Brasil é uma realização Edições Globo Condé Nast e O GLOBO, com apresentação da Invest.Rio|PrefeituraRJ, patrocínio do Meta e BMW, com curadoria e experiências pela BRIFW. As inscrições, gratuitas, já estão abertas em https://bit.ly/3fIgFca.

Mergulho no metaverso

Nesta edição, os participantes do Wired Festival Brasil não ficarão restritos a um único ambiente. Dia 17, os participantes estarão no Planetário, acomodados em suas poltronas, mas óculos de realidade virtual os levarão a um espaço virtual, onde poderão encontrar amigos e se encantar com uma arquitetura futurista, repleta de arte e conexões com personagens virtuais incorporados por gente real.

Avatar de si mesmo: Os visitantes poderão se divertir num estúdio comandando um avatar com o próprio corpo. Eles poderão guiar personagens incríveis por meio de um sistema de captura de movimentos. Os participantes levam para casa o vídeo da brincadeira, para guardar ou postar. E quem tiver perfil no Snapchat poderá usar o link para seguir com a interação.

Retrato 360°: Numa das interações com o público, os participantes poderão ser fotografados em 360º e ter sua imagem “transportada” ao ambiente virtual. O personagem é configurado na mesma hora, e o visitante também poderá “levar para casa” o vídeo com a brincadeira.

Artista instantâneo: Com a ajuda de óculos de realidade virtual e outros equipamentos eletrônicos, os visitantes do festival poderão criar sua própria arte em terceira dimensão e ir além: será possível fazer uma exposição imediata da obra em ambiente de metaverso.