Witzel compara Bolsonaro a Chávez: 'típico de quem não respeita opiniões'

Paulo Cappelli
O governador do Rio, Wilson Witzel

Em um café da manhã com jornalistas, nesta terça-feira, o governador do Rio, Wilson Witzel, comparou o presidente Jair Bolsonaro a Hugo Chávez e Alberto Fujimori, que presidiram a Venezuela e o Peru, respectivamente. Chamado por bolsonaristas de 'traidor',  Witzel rebateu as críticas do presidente de que tenta “destruí-lo” para se eleger em 2022.

- Ele (Bolsonaro) usa vocabulário típico de Chávez, Fujimori e Erdogan (presidente da Turquia). Típico de quem não respeita diversidade de opiniões. Está no livro “Como morrem as democracias” - afirmou em referência a políticos apontados como ditadores.

Leia também

Indagado se está decepcionado com a atuação de Bolsonaro na Presidência, Witzel respondeu:

- Só eu? É só olhar os índices de reprovação. Evidente que o Bolsonaro não se preparou. Você não consegue conversar com ele sobre economia. É uma pauta muito mais ideológica do que concreta.

Witzel, que pleiteia mudanças no Regime de Recuperação Fiscal, disse não acreditar que a conflituosa relação com Bolsonaro prejudicará as negociações.

- Bolsonaro não tem me recebido, mas o posto Ipiranga dele, o Paulo Guedes (ministro da Economia), tem. A animosidade pessoal (de Bolsonaro) não se reflete em seu staff, uma vez que tenho sido recebido pelo Paulo Guedes, pelo Mansueto (Mansueto Almeida, secretário do Tesouro do Ministério da Economia) e conversado com o ministro Tarcísio (Tarcísio Gomes de Freitas, ministro da Infraestrutura). Bolsonaro precisa tomar suas decisões sob o ponto de vista legal, do contrário pode haver consequências como improbidade administrativa e crime de responsabilidade - disse