Witzel convida Moro para governo do Rio; Doria parabeniza ex-ministro

·2 minuto de leitura
Brazil's Justice Minister Sergio Moro arrives to give a press conference in Brasilia, Brazil, Friday, April 24, 2020. Moro announced his resignation Friday after Brazilian President Jair Bolsonaro changed the head of the country's federal police. (AP Photo/Eraldo Peres)
Sergio Moro pediu demissão do cargo de ministro da Justiça e Segurança Pública nesta sexta-feira (Foto: AP Photo/Eraldo Peres)

Governadores repercutiram o pedido de demissão de Sergio Moro do ministério da Justiça. Wilson Witzel (PSC) aproveitou a ocasião para convidar Moro a integrar o governo do Rio de Janeiro. “Ficaria honrado com sua presença em meu governo porque aqui, vossa excelência, tem carta branca sempre”, escreveu.

E nos siga no Google News:

Yahoo Notícias | Yahoo Finanças | Yahoo Esportes | Yahoo Vida e Estilo

O governador fluminense ainda disse que assistiu o pedido de demissão do ex-colega com tristeza. “Adotamos em nossa vida profissional com uma missão: o combate ao crime”, afirmou.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Já João Doria, governador de São Paulo, opinou que o Brasil perde muito com a saída de Moro do cargo. “Mudou a história do país ao comandar a Lava Jato e colocar dezenas de corruptos na cadeira”, declarou.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Flávio Dino (PCdoB), governador do Maranhão, avaliou que a fala de Sergio Moro mostra que o presidente Jair Bolsonaro cometeu crimes de responsabilidade contra o livre exercício dos Poderes e contra direitos individuais.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Leia também

“Lembro que a Polícia Federal é órgão do Poder Executivo, mas exerce a função de POLÍCIA JUDICIÁRIA. Ou seja, quanto à atividade-fim, coagir a Polícia Federal sobre investigações criminais impede o livre exercício do Poder Judiciário”, escreveu.

Dino ainda comparou Moro com o Fiat Elba de Collor: “A prova que faltava. Agora não falta mais”.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos